Homem transexual luta por espaço no mercado de trabalho e em universidade de Salvador

Sem categoria
22 de maio de 2013
por Genilson Coutinho


Os clientes que vão ao bar Cabaret 54, na Carlos Gomes, ficam encantados com aquele jovem rapaz de corpo magro, cabelo curto e um sorriso meigo que circula entre as mesas para atender aos pedidos dos clientes até altas horas da madrugada, mexendo com imaginário e curiosidade de alguns que ficam na dúvida sem saber se o atendente é um menino ou uma menina. Pois bem, mistério resolvido! O próprio Caio Timbetim fez questão de falar como ele se sente: Um jovem homem no auge dos seus 21 anos.
Essa é um pouco da história de Caio:Transhomem baiano (FtM (do inglês Female to Male, que se traduz por “de mulher para homem”) que aos 17 anos se declarou para a família que não reagiu de forma positiva e o colocou para fora de casa. Segundo Caio, foi um período muito difícil, principalmente pela reação de sua mãe que por muitas vezes tentou encontrar a cura em vários consultórios de psicólogos.
Além de ter sido expulso de casa, ele teve que conviver com frases fortes ditas por ela no dia a dia. Dentre elas, uma que ele afirma não sair da sua cabeça: “Preferia que você tivesse dez filhos do que você virar homem dentro da minha casa”, conta Caio.
Diferente da mãe, o pai do jovem encarou com muita tranquilidade e nunca teve dificuldade em aceitar a orientação de Timbetim. “Jamais pensei que fosse encontrar o apoio do meu pai, pois sempre acreditamos no amor e na compreensão de nossas mães, mas comigo foi bem diferente”, diz ele.

Mesmo com toda essa turbulência familiar, Caio entrou na universidade para cursar Fisioterapia, porém, teve que abandonar o curso por questões pessoais, mas não desistiu do seu sonho e segue estudando para fazer as provas do ENEM. “Durante o dia estudo bastante todos os assuntos, já fiz a minha inscrição e vou passar, temos que lutar por nossos sonhos e um espaço no mercado de trabalho. Estou estudando para isso”, revela ele.
Questionado como lida com o assédio dos rapazes diante da sua estrutura masculina, ele sorrir e dispara: “É muito bom para o ego, pois eles ‘chegam junto’ e só descobrem quando conto que sou um transhomem, mas ainda assim tem uns que querem. Gosto desse assédio quando há respeito”, pontua ele.
Veja também:
<strong>Transexuais conquistam espaço no mercado de trabalho de Salvador
Sobre o coração Caio não esconde que está noivo, feliz e apaixonado. Ela tem sido um dos grandes motivos da minha felicidade e vamos casar como manda o figurino.” diz ele com sorriso de felicidade.
No que se refere ao preconceito, Timbert revela que não se preocupa com o que os outros irão pensar sobre ele, pois a única coisa que ele quer é ser feliz, independente da forma de pensar e agir dos preconceituosos ,seja no ambiente de trabalho ou na rua.
Com o passar do tempo a relação com a família foi se estabilizando e hoje ele vive com sua namorada, se preparando para o vestibular durante o dia e nas noites de sexta a domingo trabalha como garçom no Caberet 54 conquistando os clientes da casa com muita determinação, simpatia e com seu estilo de ser, sempre com um bom sorriso no rosto e competência na arte de atender bem.

Transexual masculino
Homem transexual, homem trans ou ainda transexual FtM (do inglês Female to Male, que se traduz por “de mulher para homem”) é o transexual que genética e fisicamente nasceu mulher mas desde cedo (geralmente na primeira infância) se identifica como sendo do sexo e gênero masculinos, embora tenha sido culturalmente designado no nascimento como pertencente ao sexo feminino pelos pais.
O tratamento hormonal de homens trans é feito com a aplicação de testosterona e as cirurgias estes comumente realizam são a mastectomia (retirada das mamas e reconstrução de um peitoral masculino) e a histerectomia (retirada dos órgãos internos do sistema reprodutor feminino). Alguns homens transexuais também optam por realizar a neofaloplastia (construção de um neofalo ou implantação de uma prótese peniana) ou a metoidioplastia (transformação do clitóris num micropênis). O paciente transexual não necessariamente realiza todas essas etapas ou cirurgias por motivos como razões de saúde, condição financeira, satisfação com o próprio corpo ou outros.
A transição, mesmo que seja apenas no tratamento hormonal, é delicada e precisa ser realizada com muito cuidado, para não prejudicar a saúde do indivíduo a curto, médio ou longo prazos.
Os homens transexuais podem, como qualquer homem genético, identificar-se como homossexuais, bissexuais, assexuais ou heterossexuais, em virtude de identidade de gênero e orientação sexual serem coisas distintas.
Fonte:
Wikipedia