Homem trans é assassinado em Salvador

Comportamento, Social
7 de maio de 2017
por Genilson Coutinho

A violência crescente, no Brasil e na Bahia, contra a comunidade LGBT, continua crescendo as estáticas e deixando lares dilacerados. O caso mais recente em Salvador foi contra o homem trans Teu Nascimento, que teve sua casa invadida na última sexta-feira, (6), no bairro da Fazenda Grande 3, em Salvador. Além de levar os bens do jovem, também levaram o corpo, que só foi encontrado na noite do último sábado, (6), no Instituto Médico Legal Nina Rodrigues. O corpo tinha marcas de espancamento e de tiros na cabeça. Ainda não há informações sobre os motivos do crime nem dos assassinos. As investigações estão sendo conduzidas pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

A notícia da morte do jovem ganhou as redes sociais de amigos e dos movimentos sociais, que pedem justiça e rigor nas apurações.

Andrea Magnoni, do coletivo  O coletivo De Transs Pra Frente, publicou uma nota sobre o caso, no Facebook, se solidarizou com a família do Têu e pediu justiça. “Perdemos nosso querido Têu Nascimento para a violência… Nossa solidariedade à família e amigos e acompanharemos as investigações em busca de justiça. Siga em paz, Têu!”.

A Militante Eide Paiva lamentou o ocorrido e lembrou das suas conversas com o jovem e de quando o conheceu .”

“Esse é Têu Nascimento, homem trans negro, meu irmão de santo, neto da minha mãe de santo. Acabei de saber que ele foi violentamente estuprado, assassinado pela transfobia na noite de ontem. Estou profundamente triste. Conheci Têu há pouco mais de três anos, quando ele voltou a morar em Salvador, cheio de vida, e de planos. Ele era de fé, do trabalho e da luta. Chegamos a planejar discutir a transfobia e a lesbofobia em nossa casa, em outros terreiros, mas não tivemos tempo. Meu irmão não teve tempo nem mesmo de ser aceito e respeitado por todas as pessoas que ele amava e respeitava. Sua juventude foi roubada logo cedo no jogo duro da desigualdade, onde o racismo e sexismo o transformaram em escravo do sistema, mas não lhe tiraram o riso largo, a capacidade de sonhar e lutar pelo seus ideais. Agora recebo essa notícia triste. A transfobia ceifou a vida do meu irmão, e eu choro por ele, por mim, por nós…

Que Olorum o receba em paz, que suas dores sejam curadas!! Que meu irmão descanse e que a justiça de Xangô se faça!!

Que Orixás me protejam na luta pelo fim da LGBTfobia, pelo bem viver.

Têu Nascimento Presente!” Postou ela

#tristezasemfim

O Grupo Famílias Pela Diversidade também está acompanhando o caso. Inês Silva, coordenadora do grupo comentou: “Muito triste estou…Não consegui dormir…Tentando me colocar no lugar dá mãe do Tadeu e não consegui…Não consigo dimensionar sua dor… É por isso que luto todos os dias para um dia quem sabe (ainda que utópico)… Pais não enterrem seus filhxs.

 

 

  • Kalopes Transboy

    Mundano, nesta ou noutra vida, vão pagar pelo que fazem