Grupos fazem manifestação contra Marco Feliciano em Salvador

Sem categoria
16 de março de 2013
por Genilson Coutinho

Na tarde deste sábado (16), durante segunda manifestação em Salvador, centenas de pessoas se mobilizaram contra a eleição do deputado federal e pastor Marco Feliciano (PSC-SP) à presidência da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados, organizada pela militância LGBT e grupos nas redes socais.

A concentração da manifestação aconteceu na praça do Campo Grande, onde as pessoas seguiram com cartazes, carro de som e muito barulho pedindo a saída de Feliciano do poder.

O fundador do Grupo Gay da Bahia, falou no microfone aos participantes sobre a importância da luta para a saída de Feliciano e comentou sobre o telefonema que recebeu do deputado Jean Wyllys (PSOL/RJ), que não pode participar deste ato, por estar em Brasília.

“O deputado Jean Wyllys acabou de nos ligar para parabenizar a nossa manifestação e pede que vocês fiquem atentos a uma campanha maléfica contra mim e contra Jean nas redes sociais. É preciso que fiquemos atentos a todos esses inimigos que surgem todos os dias”, finalizou.


Além de integrantes do movimento, artistas, estudantes, Grupo Olodum, UNegro, Marcha das Vadias, Fórum Baiano LGBT, Coletivo Kiu (UFBA) e o Instituto Adê Diversidade marcaram presença para fortalecer o ato.

Para João Jorge, presidente do Olodum, é uma luta de todos. “É uma luta de negros, gays, mulheres e de todas as minorias, por isso estamos aqui para somar na luta contra esses absurdos. A sociedade não pode se calar”, declarou João.

Neste momento a manifestação segue pela Avenida Sete sentido Praça Castro Alves.


Essa mobilização também aconteceu em 24 cidades do Brasil, unidas pelo intuito da saída do deputado Marco Feliciano da CDH. A manifestação tem ganhado força nas principais cidades lideradas por grupos de movimentos socais e principalmente nas redes socais.

Feliciano vem sendo alvo de protestos desde que foi indicado para presidir a Comissão de Direitos Humanos da Câmara. Uma das principais reivindicações dos movimentos que são contra a sua eleição, são por conta de declarações polêmicas sobre homossexuais e sobre o continente africano, publicadas em sua conta no Twitter, em 2011.

À época, o deputado postou frases como: “Sobre o continente africano repousa a maldição do paganismo, ocultismo, misérias, doenças oriundas de lá: ebola, aids, fome… Etc”. Ele também disse no Twitter que “a podridão dos sentimentos dos homoafetivos leva ao ódio, ao crime, à rejeição”.

Fotos: Genilson Coutinho/Dois Terços