GGB repudia ‘negligência’ de governo do Estado com Parada LGBT

Comportamento, Social
31 de agosto de 2018
por Genilson Coutinho

O Grupo Gay da Bahia lançou nota em que repudia a “negligência” do Governo da Bahia com a 17ª Parada LGBT, que deve acontecer no dia 9 de setembro, em Salvador.

“O Grupo Gay da Bahia (GGB), lastima que o Governo da Bahia negligencia um movimento como o nosso que reivindica inclusão social, direitos civis, visibilidade política e direito de ocupar os espaços públicos de identidades sem sermos discriminados, execrados e expulsos, por estarmos de mãos dadas ou manifestando afeto como qualquer outro heterossexual”, afirma a entidade.

O grupo diz em nota que “não reconhece essa postura como de um governo de esquerda, que proclama defender uma agenda social prioritária, incluindo obrigatoriamente a defesa e promoção da cidadania LGBT”.

“A Parada LGBT é uma expressão dessa cidadania cultural da comunidade LGBT, que sem recursos financeiros e logística operacional do Estado tal evento só tende a piorar e não atender os anseios de mais de 10% da população que cada ano insiste na melhor qualificação do evento”.

Para Marcelo Cerqueira, presidente do GGB a Parada LGBT é um momento de ativismo e exposição da imagem coletiva da comunidade: “Fazemos essa verdadeira maratona como parte de nosso ativismo na defesa dos direitos humanos, por ser fundamental para mostrar a cara de nosso povo ao menos uma vez por ano. A parada é para nós uma fonte de enriquecimento, ao contrário terminamos sempre no vermelho do sangue de um LGBT derramado diariamente”.

De acordo com a instituição, “a omissão do Governo da Bahia é reveladora da indiferença e da falsidade ideológica dos órgãos que se dizem associados com a causa no governo”.

O grupo ressalta, porém, que terá o apoio da prefeitura de Salvador. “A prefeitura do Salvador sensível ao evento convocou todos os seus órgãos para atuar no evento, e fez uma programação financeira para pagar o básico indispensável. Apesar do descaso de Rui Costa, vamos botar os carros de som na rua para animar quase um milhão de pessoas, em sua maioria simpatizantes, que protestarão contra a discriminação anti-LGBT. Se o Governo da Bahia fosse mais solidário e sensível ao nosso segmento, a 17ª Parada do Orgulho LGBT da Bahia poderia ter mais segurança e brilho”, resumem.