Gaytrospectiva: Pabllo Vittar, Silvero Pereira e programa ‘Do Babado’ foram importantes para a representatividade na mídia; confira a lista completa

Comportamento, Social
28 de dezembro de 2017
por Genilson Coutinho

Silvério e Pabblo

2017 sem dúvida foi o ano da televisão, da internet e do rádio somarem na luta contra a homofobia, e visibilizar as lutas e questões inerentes à população LGBT+. Do debate sobre transexualiade ao estouro de Pabllo Vittar, que bombou em todos os segmentos, da moda à marca de refrigerante, ela foi o grande ícone da cena no Brasil. E para não deixar essas personalidades que foram importantíssimas para a visibilidade e a representatividade na mídia, listamos alguns.

Pabllo Vittar foi, com certeza, o maior destaque entre os artistas LGBT deste ano. A drag queen ganhou notoriedade em 2015 pela música “Open Bar” (versão em português de “Lean On”, do Major Lazer), mas foi em 2017 que ela bombou muito no Brasil com o hit do carnaval “Todo Dia”. Em seguida, a diva explodiu nas paradas em uma parceria com Anitta e Major Lazer, na música “Sua Cara”. Ela continua com tudo em 2017, especialmente em Salvador, no dia 28, quando a cantora será uma das atrações do Festival da Virada, na Arena Daniela Mercury.

Lia Clark – a cantora já possui milhões de visualizações em seus vídeos no YouTube, com o clipe da música “Trava Trava”, um de seus maiores sucessos. Em 2017, seu hit é a música “Berro”.

Neil Patrick Harris – o belo foi um dos destaques de “Desventuras em Série”, produção que estreou no início do ano.
Nininha Problemática –
A Drag Baiana Nininha Poblemática, que aos poucos foi conquistando seu espaço nas redes sociais, e militando contra o preconceito contra os artista gays, negros e da periferia. Ela movimentou as redes com seus canal no YouTube e mostrou o talento que vem das periferias . O seu novo vídeo que já ultrapassou a casa das 200 mil visualizações, é a reprodução do clipe da cantora Anitta, “Vai malandra”.

Carol Duarte


Ao interpretar uma personagem que descobre ser trans, em “A Força do Querer”, Carol Duarte trouxe para o eixo dos debates os dramas e lutas das mulheres e homens trans, através de Ivan, personagem vivido pela atriz, no folhetim de Gloria Perez.

Sarah Paulson –
A atriz de “American Horror Story” e “American Crime Story” conquistou muitos prêmios em 2017 por sua atuação, como o de Melhor Atriz, em Minissérie ou Filme para Televisão, no Globo de Ouro. Lésbica assumida, ela namora a atriz Holland Taylor, de “Two and A Half Man”.
Silvério Pereira –
Na mesma trama da atriz Carol Duarte, Silvério Pereira está entre os artistas que ganharam muitos elogios pela atuação. O ator – que também é um militante LGBT – deu vida à travesti Elis Miranda, e emocionou o público com a sua atuação, e estará em janeiro em Salvador com o espetáculo BR-trans, na Caixa Cultural.

Programa Encontro
A apresentadora Fátima Bernandes contribuiu e muito para o debate sobre o tema LGBT em diversos programas, com muita leveza e respeito, e o mais importante, em um horário que nunca se levantou essa temática.
Wanda Chase –
Pela Série – Transgênero
A jornalista Wanda Chase trouxe para os lares baianos um impornate debate sobre a transexualidade, mostrando as dificuldades das pessoas trans em Salvador. Do desafio da aceitação da família, à falta de emprego, ela emocionou muita gente em uma série de programas no Programa Bahia Meio Dia.
Eu Lacro
O Reality Drag ‘Eu Lacro’, idealizado pelo ator e repórter da TV Aratu, Rick Bandeira, que durante um mes foi exibido semanalmente no programa Universo, da TV Aratu/SBT, Canal 4. A primeira edição contou com a participação de oito drags.

Programa Do Babado –
Em 2017, a comunidade LGBT de Salvador ganhou, na ondas do rádio, mais um espaço para visibilizar as lutas e desejos da comunidade, com a estreia do programa Do Babado, projeto idealizado por Rita Batista, na Rádio Metrópole, 101.3 FM.
Apresentado nas noite de segundas por Dino Neto, Genilson Coutinho e Marrom, o programa trouxe para as noites de segunda-feira, os debates que foram do combate à aids, às paradas LGBT, e mostrou o que movimentou o cenário LGBT na capital baiana.