GAYS ELABORAM PLANOS DE ADVOCACY E PREVENÇÃO ÀS DST/AIDS.

Sem categoria
16 de março de 2011
por Genilson Coutinho

O Curso Interagir, em sua fase presencial, iniciou-se no dia 13 de março de 2011, em Salvador – Bahia com a participação de 12 representantes de quatro estados do Nordeste (Alagoas, Sergipe, Bahia e Ceará).  O curso é o terceiro em uma série de sete cursos regionais e faz parte do Projeto Interagir “Ações de Advocacy em HIV/AIDS para a comunidade de gays e outros HSH”, cujo objetivo é contribuir para o enfrentamento da epidemia e redução da incidência do HIV/AIDS e outras doenças sexualmente transmissíveis (DST) entre gays e outros homens que fazem sexo com homens (HSH) no Brasil, por meio da qualificação de organizações da sociedade civil em ações de advocacy e prevenção.

O projeto é financiado pelo Departamento Nacional de DST, AIDS e Hepatites Virais do Ministério da Saúde e é executado pela Associação Paranaense da Parada da Diversidade (APPAD) em parceria com sete organizações das cinco regiões do Brasil, dentre elas oGrupo Liberdade Igualdade e Cidadania Homossexual-GLICH de Feira de Santana/BA, e tem o apoio da rede regional ASICAL – Associação para a Saúde Integral e Cidadania na América Latina.

Em Salvador, o evento contou com a presença de atores/atrizes governamentais que expuseram a importância da organização do movimento social, alertando que este deve trabalhar com planejamento, conhecer os trâmites burocráticos do estado e consiga dialogar de forma positiva e propositiva.

O Deputado Estadual Marcelino Galo (PT/BA) compareceu ao curso e dialogou com os cursandos evidenciando que o seu mandato foi uma construção coletiva com os movimentos sociais para o qual demandou ações pró LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais).

No curso foi abordada e alertada a necessidade de implantação do chamado, “Tripé da cidadania LGBT”, que é constituído por Conselho, Coordenadoria e Plano de Promoção da Cidadania e Direitos Humanos LGBT em todas as unidades da federação, seguindo o exemplo do Governo Federal, em que esse tripé já é realidade.

Foi também levantada a questão da importância da formação das Frentes Parlamentares Estaduais pela cidadania LGBT e da colaboração do legislativo para atender às demandas que envolvam as questões relacionadas a DST/HIV/aids e direitos humanos de LGBT.

Entre os representantes do Governo Estadual, esteve no primeiro dia do Curso Alba Souza, da Coordenação de DST/AIDS da Secretaria Estadual de Saúde da Bahia. Alba é a técnica responsável pelo Plano de Enfrentamento das DST/AIDS entre Gays, outros HSH, e Travestis, e abordou a questão da execução do Plano e a importância das parcerias para sua efetivação.

No dia seguinte o professor Dr. Luiz Mott, apresentou a importância da

comunicação e da boa utilização da mídia como estratégia de advocacy para a conquista da mudança da realidade e garantia de políticas públicas para LGBT.

Danilo Bittencourt, Coordenador do Comitê Estadual de Políticas Públicas e Direitos Humanos LGBT – da Secretária Estadual de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos (SJCDH), expôs a atual situação das políticas e ações pró-LGBT que vêm sendo executadas pela Bahia, entre elas, o nome social das pessoas travestis e transexuais, uma campanha de mídia na TV, a realização da 2ª Conferência Estadual LGBT, a elaboração do Plano Bahia sem Homofobia, entre outras que estão sendo discutidas para serem implementadas.

Depois de três dias de exposições das mais diversas temáticas que conceituam e norteiam a elaboração de estratégias de advocacy e das discussões sobre as questões de aids e outras DST e direitos humanos de LGBT, os cursandos elaborarão 03 planos de ação, os quais deverão ser aplicados em seus respectivos estados, nas linhas de advocacy, prevenção das DST/aids e direitos humanos, todos eles com a finalidade de aumentar ou construir as ações e políticas públicas pró-LGBT por meio da sensibilização e convencimento dos gestores públicos da importância de leis e políticas que efetivem e assegurem os direitos dos cidadãos e cidadãs LGBT.

Segundo Dino Alves militante do Pró-Vida/AL, “o curso da rede Interagir está sendo de grande importância pois, está nos dando ferramentas para dar continuidade às ações de advocacy a nível municipal e estadual, a fim de diminuir a violência homofóbica e a incidência do HIV/aids.”

Fonte: Forum Baiano LGBT

Foto: Divulgação