Gayboa: divulgada a programação da 3ªedição do mês da diversidade do teatro Gamboa

No Circuito, Teatro
28 de agosto de 2014
por Genilson Coutinho

DivaBox_FotoAlessandraNohvais_2141

O mês temático da diversidade, em conexão com a Parada Gay de Salvador, entra em seu terceiro ano no Teatro Gamboa Nova, onde mistura é a palavra certa. De 03 a 28, o Setembro é Gayboa reúne shows e performances com DIVA BOX e MÚSICA DE QUINTA, debatendo a homoafetividade com irreverência. Teatro adulto com a companhia carioca COMUM DE DOIS, OS QUATRO TONS DE GERTRUDES e os bonecos de O CANTO DA YARA. Mais DANÇA com o Núcleo Vagapara, cine ANDROGYNE-SAGRAÇÃO DO FOGO e os diferentes desenhos de Elias Santos

Teatro de bonecos O Canto da Yara faz um protesto poético sobre sexualidade

O Canto da Yara_André Mello-foto divulgação (4)

Com direção e dramaturgia de João Figuer, o espetáculo O Canto da Yara promete ser um protesto cantado, falado e chorado sobre a sexualidade humana, a existência de sereias e a natureza das coisas. Com o diferencial de toda a abordagem ser feita através do Teatro de Bonecos, produzidos pelo artista André Mello, para maiores de 16 anos.

As apresentações acontecem nas três primeiras quartas (03,10 e 17) do Setembro é Gayboa, às 20h, com ingressos R$ 20,00 e R$ 10,00 (meia). O Teatro Gamboa Nova fica na Rua Gamboa de Cima, 03, Aflitos, atrás do Passeio Público.

Segundo a produção do espetáculo, Yara é a sereia da Lagoa que vem à terra firme reclamar das “faltas” que ela sente. A partir deste mote, João Figuer se une a André Mello – contando também com as vozes e manipulações de Aishá Roriz, Fernando Ishiruji – para dar vida a esta personagem de forma potente, lúdica e questionadora sobre a formação e o ato de sentir a sexualidade.

Poeta, ator e diretor, Figuer transita pelas artes com a experiência de muitos anos dentro e fora de Salvador. Mello também é multi-artista da Chapada Diamantina Bahia, viveu entre 1998 e 2010 em Amsterdam na Holanda, onde se graduou Bacharel em Artes visuais e especialista em direção de arte para cinema e teatro pela Gerrit Rietveld Academie. Trabalhou por vários anos ao lado de grandes nomes da Dança, bonecos e teatro, como Duda Paiva Company (Holanda, Slovenia,Noruega, Polonia ) José Besprosvany ( Belgica, França) , Zouzou Circus Theater ( Holanda, Alemanha, índia) Teatro Munganga (Holanda), entre outros. No Brasil, em Rio de Contas, desenvolveu espetáculos conhecidos como “Riacho das Flores” (2011), “As aventuras de Zé Tripa” ( 2012) e “Um Peixe Fora dÁgua” (2013). Paralelamente, assina alguns projetos de cenografia para teatro e dança na cidade de São Paulo- SP, entre eles  “Objeto Gritante” (2011) e “Nigredo” ( 2012) de Mauricio de Oliveira & Siameses, “Boca de Ouro” ( 2012 )Direção de Flávia Pucci/ Grupo Prole e “Corpo Esgotado” ( 2014) Grupo do Miolo.

Serviço

Quando: 03,10 e 17/08/14 (quartas)

Horário: 20h

Onde: Teatro Gamboa Nova – Largo dos Aflitos, Centro.

Valor: R$ 20,00 e R$ 10,00 (meia)

Classificação do espetáculo: 16 anos

3329 2418 / 77 81304722 (André Mello)

Ficha Técnica:

Criação de Dramaturgia: João Figuer

Bonecos: André Mello

Manipulação e vozes: Aishá Roriz , Fernando Ishiruji e André Mello

Direção: João Figuer

Os Quatros Tons de Gertrudes reúne artistas/escritores

Quatro contos, escritos por Thais Alves, Claudia Barral, João Figuer e Kátia Leal, sobre Gertrudes, uma personagem com quatro possíveis formas de existir neste mundo. Estreia do projeto que mistura leitura dramática e encenação, em cartaz dias 04, 05 e 06, dentro do Setembro é Gayboa, sempre às 20h.

A ideia, relata a coordenadora Thais Alves, surgiu a partir da possibilidade de imaginar um alguém que pode se desdobrar e viver outras vidas, outros corpos, outros olhares. “Por isso Gertrudes nasceu, uma personagem que pode ser uma bela mulher, fascinada pelo erotismo, sedução; uma travesti linda e apaixonante; um rapaz, pois os pais queriam muito ter uma filha mulher, mas nasceu um rapaz e foi registrado com esse nome mesmo. E ainda uma Gertrudes doce, delicada” – completa.

Com direção de Thais e João Figuer, que também participarão das leituras junto com Cristiane Pinho e Márcia Andrade, esta aventura cênico-dramatúrgica conta com a atriz Paula Lice, que encenará a mimises desta história contada.

 Serviço

Os Quatro Tons de Gertrudes

Quando: 04, 05 e 06/08/14 (quinta, sexta e sábado)

Horário: 20h

Onde: Teatro Gamboa Nova – Largo dos Aflitos, Centro.

Valor: R$ 20,00 e R$ 10,00 (meia)

Classificação do espetáculo: 14 anos

Ficha-técnica

Coordenação Geral: Thais Alves

Direção: Thais Alves e João Figuer

Textos: Claudia Barral, Thais Alves, João Figuer e Kátia Leal

Atores: Márcia Andrade, Kátia Leal, Thais Alves e João Figuer.

Encenação: Paula Lice.

 Montagem carioca discute a homofobia em sua matriz histórica

Comum de Dois RJ_foto divulgação

O Grupo Itinerante de Teatro da Cidade do Rio de Janeiro traz a Salvador, no Teatro Gamboa Nova, dias 11, 12 e 13 de setembro, às 20h, a montagem Comum de Dois, ambientada noRecife antigo, onde uma casa é deixada de herança e novas descobertas são feitas sobre o verdadeiro passado de uma família imigrante, descendente da aristocracia inglesa.

No enredo, a disputa pelo imóvel acaba revelando um diferente triângulo amoroso, que explora épocas e intertextualidades e tem como ponto chave a relação homoafetiva dos protagonistas, localizando o debate na formação da sociedade moderna brasileira do século XX, a homofobia em sua matriz histórica.

Comum de Dois, escrita e dirigida porRhommel Bezerra, enfoca assim uma reflexão política da marginalização da sexualidade, os significados da tolerância, do amor e da solidariedade. “Uma caixa trancada por muito tempo é descoberta e nela estão memórias que marcam, como uma impressão digital, uma alma saudosista. Por outro lado, uma vez aberta, nunca mais poderá ser fechada, esquecida ou jogada de lado. Ela muda a percepção de todos os personagens: o que era antes frio e enigmático se torna triste, amargo e penoso, por conter tanta paixão sufocada pelo autocontrole e pela convenção social.” – explica.

No elenco Bruno Ahmed, Janine Fritzen, Rafael Morpanini e o próprio autor. Os ingressos custam R$ 20,00 e R$ 10,00 (meia) e podem ser adquiridos no dia da apresentação, a partir das 19h.

Serviço

Comum de Dois – Grupo Itinerante de Teatro da Cidade do  Rio de Janeiro

Quando: 11, 12 e 13/08/14 (quinta, sexta e sábado)

Horário: 20h

Onde: Teatro Gamboa Nova – Largo dos Aflitos, Centro.

Valor: R$ 20,00 e R$ 10,00 (meia)

Classificação do espetáculo: 16 anos

Ficha técnica:

Dramaturgia e Direção: Rhommel Bezerra

Elenco: Bruno Ahmed, Janine Fritzen, Rafael Morpanini e Rhommel Bezerra

Cenário e figurinos: Concepção coletiva

Som e Luz: Bruno Peah

 MÚSICA E PERFORMANCE

Música de Quinta: Para alegrar o coração de alguns meninos

Numa mistura de canções, depoimentos pessoais, textos teatrais e dublagens, A Outra Companhia apresenta o show cênico-musical Música de Quinta: Para Alegrar o coração de alguns meninos, no Teatro Gamboa Nova, em três únicos dias (18, 19 e 20), às 20h.

Evocando os afetos e exaltando a musicalidade brasileira o grupo, que versa entre o teatro e a música, analisa e reflete a questão da homoafetividade sob uma perspectiva histórico-social com irreverência, ao traçar um paralelo entre o que seria uma identidade gay e um panorama do país no âmbito das discussões sobre gênero.

No repertório Caetano Veloso, Phill Veras, Tetê Espíndola, Gaby Amarantos, Luiz Gonzaga, Roberto Carlos, Pablo, Cheiro de Amor, Pitty, Léo Fressato, entre outros, além de composições autorais. Sete atores com urgências expostas no ato de cantar e tocar músicas. Tudo em clima de brincadeira, fazendo festa com textos, acordes e muita cara de pau.

Para os realizadores, Música de Quinta é uma ação que surge como uma provocação, para chamar a atenção da cidade para o centro, especificamente o bairro do Politeama,  que outrora foi de grande efervescência cultural e até então encontrava-se num ostracismo violento. Com sede no Centro Comercial Politeama, A Outra comemora seus 10 anos e passa a realizar o show cênico-musical toda quinta-feira ao ar livre, no meio do Calçadão, com a participação de transformistas, músicos e artistas de teatro, circo e dança, desde junho de 2014.

 Serviço

Música de Quinta: Para Alegrar o coração de alguns meninos.

Quando: 18, 19 e 20/09/14 (quinta, sexta e sábado)

Horário: 20h

Onde: Teatro Gamboa Nova – Largo dos Aflitos, Centro.

Valor: R$ 20,00 e R$ 10,00 (meia)

Classificação do espetáculo: 14 anos

 3329 2418/ 92178024 (Thiago Romero)

 FICHA TÉCNICA

Atores-músicos: Anderson Danttas, Eddy Veríssimo, Gabriel Carnerio, Israel Barretto, Luiz Antônio Jr, Roquildes Junior e Thiago Romero

Direção e Dramaturgia: Luiz Antônio Jr. e Thiago Romero

Direção Musical: Roquildes Junior

Figurino e Cenografia: Música de Quinta

Realização: A Outra Companhia de Teatro

Diva Box reinterpreta música pop em um show eletrônico

Reunir três atores, três homens, três vozes, que realizam no palco uma releitura de músicas conhecidas em interpretações femininas. Esta é a proposta de Diva Box, que se caracteriza como um show eletrônico recheado de referências da internet, em um mash up irresistível. No GamBoaMúsica Pôr do Sol, domingos dias 14 e 28, 17h, Teatro Gamboa Nova.

De Beyoncé a Cyndi Lauper, passando por Amy Winehouse e Spice Girls, o trio une música e performance e, além disso, propõe com humor duetos impensáveis como Madonna e Valesca Popozuda, Lady Gaga e Fernanda Abreu, entre outras.  O repertório abrange desde a década de 80 e seu pop sintético e inocente, até os dias atuais, com as novas musas do pop ou figuras que ganharam 15 minutos de fama com a internet, como Inês Brasil.

Após uma temporada de 4 meses em cartaz no bar Cabaret 54, participação no Solar 40 graus no teatro Solar Boa Vista e um show no palco LGBTT do Carnaval de 2014, os rapazes retornam com um novo show, mais engraçado, dançante e ousado.

Serviço

Show Diva Box

Quando: 14 e 28/09/14 (domingos)

Horário: 17h

Onde: Teatro Gamboa Nova – Largo dos Aflitos, Centro.

Valor: R$ 20 (inteira) R$ 10 (meia).

Classificação: 16 anos

 Ficha Técnica:

Atuação: Fernando Ishiruji, Paulo Lopes e Mario Bezerra

Produção e realização: João Figuer

 DANÇA

 Setembro é Gayboa recebe solos e duo de dança

 Da união de Lucas Valentim, Thulio Guzman e William Gomes, surgem os Encontros de Dança do Setembro é Gayboa 2014, de 24 a 26, quarta a sexta, sempre às 20h, no Teatro Gamboa Nova. Serão apresentados três solos: Serenata, Só eu Posso Fazer Você Atravessar o Mar e Masturbatório, além do duo Borboletas, que abordam questões como desejos, excessos, amores e loucuras, na intensa relação do humano com seus corpos e com o outro.

No dia 24, Serenata, concebido por Valentim, abre a programação. “As questões disparadas se apoiam no modo/maneira como, em geral, é apresentado o ideal de amor em nossa sociedade”_explica o dançarino, que começou sua pesquisa ainda em 2007, baseando-se em clichês, novelas, anúncios de jornais, pedidos de casamento, juras de amor eterno. “Vários temas são transversais também no trabalho, como gênero, identidade, solitude e a publicidade em torno do amor” – completa.

Ainda na mesma data o trabalho de Guzman Só eu Posso Fazer Você Atravessar o Mar se define como uma coreografia aleatória da relação entre água e amor, explorando águas e top hits que embalam a difícil tarefa de amar, ou seja, como se para amar atravessar um mar fosse preciso.

O duo Borboletas reúne novamente os dançarinos, dia 25, investigando os limites entre loucura e sanidade, solidão e encontro, inspirado no conto de Caio Fernando Abreu “Uma História de Borboletas”, que traz a história de um casal que enlouquece silenciosamente, refletindo uma nova forma de lidar com o mundo. A montagem foi construída de forma compartilhada com os usuários do Centro de Atenção Psicossocial – CAPS e estreou em 2010.

Para encerrar os encontros, na sexta, o solo Masturbatório, que estreou no Gamboa Nova em agosto de 2014 e é um dos resultados do projeto Proliferações, contemplado com o edital Setorial de Dança 2013. O trabalho nasce da investigação de William Gomes das ideias de solidão, confinamento e autossubsistência, proliferando ações, estados e estímulos a partir do corpo em contato com objetos, superfícies, texturas e do encontro com o outro. A direção e dramaturgia é de Paula Lice e a direção de arte é assinada por Mayra Lins.

Serviço

Encontros de Dança: Valentim, Guzman e Gomes

Quando: 24, 25 e 26/09/14 (quarta, quinta e sexta)

Horário: 20h

Onde: Teatro Gamboa Nova – Largo dos Aflitos, Centro.

Valor: R$ 20 (inteira) R$ 10 (meia).

Classificação: 16 anos

Ficha Técnica Serenata

Criação e encenação: Lucas Valentim

Cocriação: Cláudia Barral e Giltanei Amorim

Realização: Núcleo VAGAPARA

 Ficha Técnica Borboletas

Direção: Paula Lice

Dançarinos: Lucas Valentim e Thúlio Guzman

 Ficha Técnica Só Eu Posso Fazer Você Atravessar o Mar

Performance e criação: Thulio Guzman

 Ficha Técnica Masturbatório

Criação e Performance: William Gomes

Colaboração artística: Isaura Tupiniquim e Márcio Nonato

Direção e Dramaturgia: Paula Lice

Direção de Arte: Mayra Lins

Direção Musical: João Milet Meirelles

Desenho de Luz: Ferna Almeida

Coordenação de Produção: Lucas Valentim

CINEMA

 Teaser do espetáculo Androgyne_Sagração do Fogo

     Androgyne é o resultado da trajetória da performer e dançarina baiana Alda Maria Abreu, junto à Taanteatro Companhia, fundada em 1991 pela coreógrafa Maura Baiocchi e por integrantes do Núcleo Taantécnica Butoh. O solo concebido e interpretado por Alda Maria Abreu nasceu do estreito diálogo com a abordagem taanteatro, ou teatro coreográfico de tensões, e dos desafios poéticos e coreográficos acerca das temáticas corpo/cultura, corpo/identidade, corpo/linguagem.

   O espetáculo, que está previsto para se apresentar em Salvador ainda este ano e já rendeu a Alda o Prêmio Revelação APCA dos críticos de São Paulo, aborda de forma poética o tema da identidade sexual. Subverte o significado clássico da androginia – unidade e perfeição espiritual – ao convocar a despolarização dos gêneros como manifestação ética do corpo.

A constante tensão entre a atualidade e atemporalidade das polêmicas sociais e dos tabus morais que a temática envolve, levou a pesquisa da encenação ao encontro com Joana d’Arc, personagem andrógina histórica. A encenação explora o hibridismo entre a dança e as artes visuais para compor coreografias que testemunham uma experiência singular e extra-dogmática do sagrado.

Transbordando fronteiras de linguagem e de gênero na busca de uma “dança-tremor”, a obra procura alastrar o fogo que nasce dos tremores ancestrais e contemporâneos, na encenação coreográfica do insondável enigma de viver para além dos limites da própria identidade.

 Serviço:

Teaser do espetáculo Androgyne_Sagração do Fogo

Quando: 03 a 28/09/14 (quarta a domingo)

Horario:antes dos espetáculos com autorização prévia das produções

Onde:Teatro Gamboa Nova – Largo dos Aflitos, Centro.

Valor: incluso no valor dos espetáculos

Classificação: 16 anos

Contatos: 3329 2418

Ficha Técnica:

Direção do espetáculo: Maura Baiocchi

Concepção e coreografia: Alda Maria Abreu

Teaser: Bruno Rezende

Fotografia e Ediçao: Paulo Bueno

Produção e realização: Wolfgang Pannek e Alda Maria Abreu

 EXPOSIÇÃO

 A liberdade do ser nos desenhos de Elias Santos

“A arte do desenho é para mim um meio de ter acesso a uma experiência espiritual enriquecedora, quando é possível despojar-se dos limites que restringem nossa vida” – a partir deste mote Elias Santos, artista plástico que atua em diversas vertentes dentro e fora de Salvador, exibe no Setembro é Gayboa seus desenhos de figuras sem forma e identidades, livres das possíveis cobranças sociais.

A série foi produzida no ano 2007 e traz desenhos à tinta sobre papel manteiga, em grande formato, abordando questões ligadas ao corpo e às possíveis sexualidades que esse corpo pode experimentar, para além dos investimentos que visam fixar uma identidade a esse corpo.

Os trabalhos participaram de várias exposições, dentre elas uma coletiva realizada no ano de 2007, Galeria Acbeu em Salvador e da coletiva “Actualização em ReTALHOS PosTAIS da Bahia” realizada no Museu do Palácio da Galeria, em Tavira, Portugal, em 2008.

Elias Santos nasceu no município de Cairu, no povoado de Gamboa do Morro, próximo ao Morro de São Paulo, ilha de Tinharé. Ainda na infância muda-se para Valença e seu interesse pelas artes visuais se manifesta desde cedo, influenciado por um de seus irmãos com o qual veio a realizar vários projetos de ornamentação de festas públicas na cidade de Valença. No início dos anos oitenta se interessa pelo desenho de ilustração botânica, passando boa parte de seu tempo produzindo desenhos de orquídeas, a partir de exemplares que encontrava nas matas de Valença e da Ilha de Tinharé. Em 1993 muda-se para Salvador para fazer o curso de Artes Plásticas na Universidade Federal da Bahia, abandona a ilustração botânica e passa a produzir trabalhos onde a figura humana ganha destaque.

Ao longo de sua carreia, o artista participou de 41 exposições no Brasil e no exterior, destacando-se duas edições do Mercado Cultural, em 2003 e 2005, coletiva em Portugal, duas exposições na Inglaterra, representado pela galeria GVArt, em Londres.  Além disso, recebeu prêmios em três edições do Salão Regional de Artes Visuais da Fundação Cultural do Estado da Bahia e em duas edições da Bienal do Recôncavo, promovidas pelo Centro Cultural Dannemann, na cidade de São Félix, Bahia.

 Serviço:

Exposição de desenhos de Elias Santos

Quando: 03 a 28/09/14 (quarta a domingo)

Onde: Galeria Jayme Fygura do Teatro Gamboa Nova

Horario: 16h às 20h (qua a sab), das 14h às 17h (domingo)

Classificação: 14 anos

Ficha-técnica

Artista e realizador: Elias Santos