Guiga Barbieri vai disputar Miss Brasil Gay em Juiz de Fora em 2012

Sem categoria
12 de outubro de 2011
por Genilson Coutinho

Na madrugada de ontem (11), véspera do Dia das Crianças, foi escolhida a Miss Universo Gay no Teatro Jorge Amado na Pituba. De frente para um dos cartões postais de Salvador, a Praça da Igreja Nossa Senhora da Luz, reuniu-se a sociedade LGBT soteropolitana, admiradores da homocultura, jornalistas, fotógrafos e familiares para escolher a bela transformista.

A gaúcha Guiga Barbieri, nome artístico do arquiteto Rodrigo Freijo de 27 anos, foi eleita a Miss Universe Gay 2011. Sob protestos e vaias da plateia, Barbieri, que  representava o Brasil no concurso, levou o título e garantiu vaga direto ao Miss Brasil gay 2012, em Juiz de Fora/MG.

Apresentado pela diva Dion, o Miss Universe Gay 2011 teve performances do cantor Alex Furtado, Valerie O’rarah, Lyon Scheneider, Saratielly Koslowisky, Gilvan – cover de Ney Matogrosso e por aí vai.  Referências a divas da cultura cinematográfica americana e da cultura pop permearam a noite. Citações a Audrey Hepburn, Lisa Minelli, Tina Turner, Cher e Whitney Houston, ícones do poder feminino deram brilho e glamour à noite de avaliação de beleza e graciosidade.

Cercadas por uma competitividade contida, pois preservar a imagem pública faz parte do dever de uma Miss, as moças foram examinadas em critérios como elegância, simpatia, aceitação pela plateia, fotogenia e de acordo com seus trajes como roupa de gala e traje típico por país (a cada uma foi atribuído um país para representar).

Miss Colômbia foi certamente a mais premiada da noite, pois saiu de lá com os títulos de Miss Elegância, Melhor Vestido de Noite e o 3º lugar do Miss Universo. Houve, porém, polêmica após anunciada a grande vencedora da noite. Alguns membros do júri reclamaram não ter votado na Miss Universo anunciada como vencedora e levantaram a possibilidade de manipulação dos resultados. Infelizmente, a noite terminou em um clima muito tenso.

Os concursos de beleza servem a uma função, que é a de alimentar sonhos e principalmente por isto devem ser levados a sério, pois está em jogo desejos e anseios das pessoas. Nós, do Dois Terços, torcemos para que no futuro, permaneça esta concepção de concursos de Miss:  um lugar para sonhos se tornarem realidade, porém com ética e integridade.

Foto: Genilson Coutinho

Veja galeria aqui