Gaslighting – Desconfie sempre de alguém que diz “a minha ex era louca”

Notícias
26 de abril de 2016
por Genilson Coutinho

A minha situação é mínima diante de mulheres que passam anos e anos impotentes dentro de um relacionamento abusivo, e hoje estou aqui para falar por elas. Fui vítima de gaslighting e não é nada fácil de lidar, por mais que eu entendesse o que estava acontecendo, ainda sofri psicologicamente, me culpando por algo que nunca foi minha culpa.

O gaslighting, de acordo com o Wikipédia, é uma forma de abuso psicológico no qual informações são distorcidas, seletivamente omitidas ou simplesmente inventadas para favorecer o abusador e com o intuito de fazer a vítima duvidar de sua própria memória, percepção e sanidade.

Uma vez, quando andava na rua com minha irmã, um homem desconhecido nos chamou de “gostosas”, em seguida minha irmã respondeu algo inesperado e o que o homem replicou? “Tá maluca? Nem mexi com você, sua louca!”. Eu era mais nova e não entendi o teor da maldade na réplica do abusador. Mas fiquei me questionando porque a vítima é sempre neutralizada em situações como essa? Os homens gostam sempre de “dar a volta por cima” e “sambar” direitinho no psicológico das mulheres.

Por falar em “dar a volta por cima”, recentemente decidi terminar um relacionamento extremamente complicado e após explicar os motivos do término, eu recebi um textão cheirando a gaslighting. O que acontece quando você tem provas textuais, não apenas memórias, sobre os relatos que contara, mas ainda assim o abusador consegue distorcer tudo e favorecer a ele? Esse mesmo homem, uma vez me falou apontando para uma garota que ela era louca, e ao perguntar o motivo a resposta foi repulsiva, “ela do nada começou a ficar com raiva de mim”. Do nada, mesmo?

É inacreditável como os homens fazem isso com naturalidade, e eu me pergunto o porquê. Talvez porque a mídia cinematográfica mostre o gaslighting em filmes, de forma “tão natural” e sem desmascarar os abusadores. Talvez seja por conta de músicas como Hotline Bling do cantor Drake, que se colocam no lugar de vítima quando a mulher resolve sair de um relacionamento abusivo. Talvez seja por conta da nossa sociedade patriarcal e extremamente machista que desde sempre ignorou e/ou neutralizou a voz de nós mulheres.

Gaslighting, misoginia, feminicídios e relacionamentos abusivos são todos subdivisões do machismo, ele é o precursor desses problemas. E para combater isso, as pessoas devem tomar consciência e acabar com vícios que essa sociedade criou.

Para homens: começar a parar de culpar a vítima por tudo, é um ótimo primeiro passo para as coisas se resolverem.

Para mulheres: feminismo! Se empoderem! Não se calem! Não se machuquem! Não se culpem! ♥

Obs.: Se rolar uma conversa de “ex loucas” com o seu atual relacionamento, procura saber direitinho o que aconteceu, porque um dia a “ex maluca” pode ser você.

Bruna Marconi é integrante do Coletivo Minissaia e criadora do blog que leva o seu nome BrunaMarconi.com. Nasceu de salto alto, sambando na barriga da mamãe, Bruna é designer, cool hunter e blogueira. Apaixonada por moda, adora compartilhar seus gostos e experiências com pessoas, inspirando e empoderando outras mulheres negras.

Sigam @ColetivoMinissaia

  • Naína Braga

    ano passado terminei um relacionamento abusivo q durou 6 meses… ele me contou q antes teve umas 4 ou 5 namoradas e adivinha só; todas elas eram vagabundas q n souberam dar valor ao homem maravilhoso que ele era, provavelmente a vagabunda da vez que deixou esse deus em forma de forma escapar sou eu! hj estou namorando um cara super bacana totalmente o oposto desse babaca psicotico… mas alguns dias atrás aconteceu algo bem chato, um ex namorado de uma amiga mesmo sabendo q eu estava namorando começou a me encher de msgs em TODAS as minhas redes socias, era instagram, face e whatsapp… me chamando pra sair, programas como cinema… eu no começo fui educada e dei algumas desculpas mas chegou a um ponto que cheguei e disse “olha eu to namorando n pega bem eu ir pro cinema sozinha com vc pq eu só te vi uma vez na vida…” ele disse q tava tudo e q n queria q ficasse um clima e tals… mas depois q essa conversa chegou na boca da ex, adivinhem só; eu só a doida paranoica q acha q ele deu em cima sendo q ele só tava sendo legal cmg, moral da historia, indiretinhas pra mim (risos) e ela ficou do lado dele…

    • http://www.resgateseuamigo.com.br Fiori Vonière

      manda os print pra ela 😉

      • Naína Braga

        pra que? tão morando junto, fizeram tatuagem e todas essas bobajadas, a doida da historia sou eu e n ele, infelizmente tem mina q acha q ciume é bonitinho, é prova de amor e acata tudo q o cara fala, e ela é dessas, se ela ta feliz assim bom pra ela!

  • Evandro Mesquita de Souza

    Bruna Marconi: e quando o inverso ocorre? E quando sua ex é louca psicótica que resolve acabar com sua vida tentando te matar 5 vezes só por que a sua ficha caiu e você percebeu que ela não era nada do que você imaginava e que a partir daí ela te promete acabar com tua vida? E o faz te caluniando 24h por dia nos últimos 10 anos? O que fazer nesses casos? Vamos com calma… nem tanto céu, nem tanto mar… existem anjos e demônios. Até mesmo onde se pensam haver anjos 😉 nem sempre homens são maus e mulheres são boas 😉 Abraços! :)

    • Guitardo Light

      Pois é, o mal do feminazismo é enxergar homens e mulheres como seres que diferem uns dos outros apenas pelo gênero, descartando que acima do gênero feminino e masculino existe o/a indivíduo/a. Creio que o que ocorra na verdade é uma coisa: tanto homens quanto mulheres ao passarem demais por uma situação semelhante ou negativa com o sexo oposto tendem a generaliza-la a ponto da ignorância falar mais alto e termos aqueles clássicos chavões “homem é tudo igual”, “mulher é tudo puta”, quando na verdade o problema estavam nos indivíduos em si e não no fato de serem homens ou mulheres.

    • Rebeca Avila

      Evandro, você pode buscar ajuda para se livrar de um relacionamento abusivo.
      E, se junto com outros homens, identificar que isso é um comportamento típico das mulheres em geral, construir um movimento para trazer a questão ao debate. Como é o caso, aliás, do feminismo.
      Não é que todo homem faz isso, mas é um comportamento típico de homens, acontece muito e muito mais que ao contrário, pois está sustentado por uma série de outras disparidades na relação homem x mulher. Então cara, pare de querer deslegitimar o problema do outro só porque ele não é o seu caso. Ninguém está contra você, estamos contra todas as maneiras com que a sociedade deslegitima as nossas questões. Como você fez nesse comentário, por exemplo.