GAPA no Pelô

Sem categoria
15 de fevereiro de 2011
por Genilson Coutinho

GAPA ganha edital do IPAC para ações de cidadania no Pelô

Jovens de 14 a 22 anos que residem ou circulam no Pelourinho e Centro Histórico de Salvador (CHS), têm agora mais um projeto de mobilização e capacitação para prevenir contra a disseminação da AIDS. Trata-se do Os Manos do Bem: Arte e Cidadania na Luta Contra a AIDS no Pelourinho, iniciativa criada pelo Grupo de Apoio à Prevenção à AIDS da Bahia (Gapa-BA) que ganhou o Edital Tô no Pelô do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (IPAC).

Autarquia da secretaria estadual de Cultura (SecultBA), o IPAC lançou o Edital Tô no Pelô desde 2008 para projetos culturais e artísticos que contemplassem ocupação dos largos do Pelourinho sob administração do instituto, realizassem intervenções urbanas na área tombada do CHS e ações artístico-educativas para a promoção da cidadania, como é a iniciativa do Gapa.
“Até agora foram 226 projetos inscritos de shows musicais ou espetáculos de dança, teatro e circo para os largos, quatro de intervenções artístico-urbanas e dois de ações artístico-educativas para cidadania e inclusão social, totalizando R$ 4,8 milhões disponibilizados pelo Fundo de Cultura do Estado, alguns ainda não executados”, explica o coordenador de Editais do IPAC, Layno Pedra.
As oficinas Arte cidadania na luta contra a AIDS do Gapa no Pelourinho tiveram aporte de R$ 134,2 mil do Fundo de Cultura, através do IPAC/SecultBA. Elas acontecem todas as tardes até agosto deste ano (2011) na sede do espaço cultural Sitoc, na Rua do Passo, nº40, em casarão originário do século 18. São oficinas artísticas na linguagem do hip hop, e oficinas temáticas sobre gênero, saúde sexual e reprodutiva, AIDS, direitos sexuais e reprodutivos, além de etnia, direcionadas aos jovens de escolas públicas.
As oficinas artísticas são divididas em quatro linguagens do estilo musical hip hop, como o break, que é um estilo de dança de rua, o mc – abreviatura do termo inglês music command -, a composição musical, o DJ – expressão inglesa disc jokey que nomeia o profissional que escolhe e toca as músicas em festas dançantes – e o grafite. Esses encontros abordam como formar grupos musicais. As atividades são gratuitas e os jovens dispõem de acompanhamento psicossocial durante o processo. Ao término das oficinas, os jovens gravarão CD com músicas elaboradas durante as oficinas. Depois será realizado show em um dos largos do Pelourinho.
Para o técnico em Educação do Gapa, Francinei Nascimento, o edital do IPAC/SecultBA tem importância ímpar já que possibilita apoio a projetos que visam educar para cidadania. “Sem dúvida esse edital assume fundamental importância para o Gapa, garantindo continuidade de ações para a difusão de informações contra a AIDS e contra a discriminação através da linguagem artística do hip hop”, conclui Nascimento.
História
O GAPA foi fundado por voluntários em 1988 como entidade civil de utilidade pública e sem fins lucrativos. Um dos principais objetivos da entidade é a luta pela adoção de política pública eficaz no combate à AIDS. A entidade tem intenção de contribuir para a diminuição dos níveis de contaminação do HIV/AIDS através de ações estratégias de informação, educação e comunicação, suporte psico-social, melhoria de qualidade de vida e luta contra a discriminação, entre outros itens. Mais dados no site www.gapabahia.org.br ou através do telefone (71) 3328-9200. Já informações sobre os Editais do IPAC são disponibilizadas através do endereço eletrônicoeditais@ipac.ba.gov.br e telefones (71) 3117- 6491 ou 3117-6492.