FIAC começa com cinco mil flores e dança de Jan Fabre

Sem categoria
19 de setembro de 2013
por Genilson Coutinho

Nesta sexta (20), o espetáculo de dança Preparatio Mortismarca a abertura da sexta edição do Festival Internacional de Artes Cênicas da Bahia (FIAC). Inédita no Brasil, a montagem do belga Jan Fabre será encenado na Sala do Coro do Teatro Castro Alves, sexta e sábado, sempre às 20h, com ingressos a R$ 12,00 (inteira) e R$ 6,00 (meia). O FIAC 2013 apresenta 23 produções de teatro, dança e performance de cinco países, em cerca de 20 espaços de Salvador.

Preparatio Mortis é um solo de dança contemporânea que aborda a morte como aspecto positivo da vida, pelo seu poder de transformação.  No palco, um túmulo coberto por flores (são cinco mil flores no cenário), do qual surge uma dançarina. Movimentos e ambiente passam a evocar uma atmosfera de sonhos e desejos, que cruzam morte e (re)nascimento.

Esta será a primeira vez que um espetáculo de Jan Fabre vem ao Norte-Nordeste do Brasil. Artista multidisciplinar e controverso, Jan Fabre é um dos destaques no panorama mundial da dança contemporânea. Além da dança, seus trabalhos incluem desenhos, esculturas, objetos, instalações e filmes, que costumam fazer referência à vulnerabilidade do corpo e ao caráter cíclico da vida. Suas obras já foram apresentadas em diversos países, participaram de festivais e ocuparam prestigiosos museus.

Fim de semana – No sábado, o FIAC segue com a segunda sessão de Preparatio Mortis e mais cinco espetáculos: Os Bem-Intencionados (Teatro Vila Velha), Boi (Teatro Sesc-Senac Pelourinho), El Tiempo Todo Entero (Teatro Martim Gonçalves) eNunca Nade Sozinho (Espaço Xisto Bahia), todos com o mesmo valor de ingresso. Já Marias da Luz (Passeio Público) tem entrada franca.

Programação completa e mais informação no sitewww.fiacbahia.com.br

 

SERVIÇO

Festival Internacional de Artes Cênicas da Bahia – FIAC
Quando: 
20 a 29 de setembro

 

Espetáculo: Preparatio Mortis – Jan Fabre (Bélgica)
Categoria: Dança
Preparatio Mortis é um solo de dança contemporânea que aborda a morte como aspecto positivo da vida, pelo seu poder de transformação.  No palco, um túmulo coberto por milhares de flores, do qual surge uma dançarina. Movimentos e ambiente passam a evocar uma atmosfera de sonhos e desejos, que cruzam morte e (re)nascimento.
Onde: Sala do Coro do TCA
Quando: 20/09 e 21/09, às 20h

Quanto: R$12 (inteira) e R$6 (meia)