Festa encerra evento sobre música eletrônica em Salvador

Música, No Circuito
25 de julho de 2017
por Genilson Coutinho

Pistinhas de dança e uma festa completa com os DJs do coletivo Pragatecno compõem a programação do PitchGirls – Encontro de Música Eletrônica: De onde Viemos para onde vamos?.  Nos dias 26, 27 e 28 de julho, a partir das 22h30, o PitchGirls vai celebrar a música eletrônica em sua diversidade, entre outras atividades do evento que lança um olhar para a presença das mulheres na história da música eletrônica.

Ao final de cada noite de discussão do PitchGirls, a TROPOS (Rua Ilhéus) o espaço para dançar e ouvir música eletrônica está garantido. Na quarta, dia 26, a pistinha será com André Urso; na quinta, dia 27, as discotecagens ficam por conta dos DJs Mauro Telefunksou, Kylt e Nai Sena e na sexta, dia 28, o comando vai para DJ,S Môpa, Suzi 4Tons e Cigarra Ellerik (projeto das DJs Cigarra e Karielle).

No dia 29 de julho, as DJs do Pragatecno assumirão as discotecagens da noite Adriana Prates, Dany Andrade (PB) e Fernanda S aka Foxxy (PB) farão a festa de encerramento do PitchGirls no Bar Lebowski (R. da Paciência, 127. Rio Vermelho, Salvador), mostrando um pouco do trabalho das profissionais que se destacam na cena eletrônica do Nordeste. A VJ May HD (BA) também participará da noite, gerando imagens e partilhando um pouco da sua trajetória, que data desde os tempos do tara_code, no final dos anos 90. Os interessados em ir para festa de encerramento devem acessar o site do Pragatecno (http://www.pragatecno.com.br) e baixar o convite da festa (podendo ser apresentado via celular). O convite estará disponível para download a partir de quarta-feira, dia 26.

A programação do PitchGirls é gratuita e o projeto tem apoio financeiro do Governo do Estado, através do Fundo de Cultura, Secretaria da Fazenda e Secretaria de Cultura da Bahia A realização é do Coletivo Pragatecno.

DE ONDE VIEMOS PARA ONDE VAMOS?

Pitch Girls quer homenagear as mulheres que ajudaram a construir a história do Pragatecno, que se confunde com a trajetória da música eletrônica no Norte e Nordeste, sempre reunindo no coletivo mulheres e LGBTQ+. “Mulheres que tocam há dez, quinze anos e que sempre protagonizaram a cena de suas cidades. Se hoje ainda é difícil, o que dizer de dez, quinze, dezoito anos atrás? Queremos contar as histórias delas e estimular para que apareçam mais e mais mulheres. Em relação a este fato, entendemos que o machismo é algo estrutural, um fenômeno abrangente e complexo, que está embutido, de alguma forma, em tudo que nos cerca” acrescenta Prates. Por este motivo, o seminário estimulará as meninas de Salvador a se aventurarem nos equipamentos e a se qualificarem para ocupar a cena.

Programação – PITCH GIRLS DE ONDE VIEMOS, PARA ONDE VAMOS?

II Seminário Pragatecno sobre Cultura do DJ

Local: TROPOS (Rua Ilhéus)

Quarta-feira – 26 de julho

19h30 -10 tracks produzidas por mulheres para pista de dança – audição comentada com o DJ Mauro Telefunksoul

21h – Live PA (com DJ Angelis Sanctus aka Cláudio M., Neila Kadhí e Laila Rosa)

22h30 – Pistinha com DJ André Urso

 

Quinta – 27 de julho

19h30 – Abertura oficial com a DJ Adriana Prates

Mulheres, Djing e produção de música eletrônica, com a escritora, jornalista e DJ Cláudia Assef (SP)

Mulher e música eletrônica na Bahia, com Andrea May, Mariella Santiago, Neila Khadí

22h – Pistinha com DJs Mauro Telefunksoul, Kylt e Nai Sena

 

Sexta – 28 de julho

19h30 – Palestra: Produção musical a partir de softwares (Logic) com a DJ Fernanda S.

20h30 – Palestra: Interfaces da discotecagem, com a DJ Dany Andrade

22h – Pistinha com DJs Môpa, Suzi Quatro Tons e Cigarra Ellerika (projeto das DJs Cigarra & Karielle)

Sábado – 29 de julho

23h – PitchGirls

Festa de encerramento no Bar Lebowski (R. da Paciência, 127. Rio Vermelho, Salvador)

Com as DJs do Pragatecno: Adriana Prates, Dany Andrade e Fernanda S aka Foxxy

VJ May HD

(todas​ ​as​ ​atividades​ ​são​ ​gratuitas. O convite para a festa pode ser baixado em www.pragatecno.com.br )

Sobre o Pragatecno – rede colaborativa em torno da cultura do dj e cibercultura, cultura livre

O Pragatecno foi criado em 24 janeiro de 1998, quando o coletivo assinou a festa Grove em Garça (No Bar Barraca do Titio, em Garça Torta, Maceió. Alagoas, Brasil), embora o grupo já existisse em 1997, como encontro de amigos amantes da e-music. Pragatecno é um núcleo de e-music no Norte-Nordeste. Sua ideia principal é procurar trazer à tona as novidades da cultura experimental, não comercial da música eletrônica e cibercultura, através da troca de informação entre djs e produtores nessas regiões. O Pragatecno defende que a cultura da música eletrônica é uma expressão artística da Cibercultura. “Música eletrônica é arte experimental, é arte contemporânea”, defende o grupo em seu site (www.pragatecno.com.br). Fazem parte dessa conexão djs parceiros que atuam nas cidades de Belém do Pará, São Luis, Fortaleza, João Pessoa, Maceió e Salvador. Podemos definir o Pragatecno como uma conexão norte e nordeste para fortalecer a cultura experimental da música eletrônica.