“Eu devo esse sucesso a uma coisa chamada credibilidade”, diz Bibi Ferreira

Sala VIP
4 de maio de 2016
por Genilson Coutinho

Foto: Genilson Coutinho

Por: Adriane Primo

A grande dama do teatro brasileiro Bibi Ferreira está de volta à Salvador com o espetáculo ‘Bibi canta Sinatra’ dentro do projeto Catálogo Brasileiro de Teatro . A apresentação acontece neste quinta-feira (5), às 21h, no Teatro Castro Alves.

Neste show, Bibi interpreta 24 canções, em dezessete números musicais, de Frank Sinatra, que no ano passado completou centenário de nascimento.

Há três anos em turnê com este espetáculo, Bibi encerra a temporada de apresentações no mês de setembro em Nova York. Mas antes passa por Natal, João Pessoa, Aracajú, Brasilía e Rio de Janeiro.

Acompanhada por um quinteto de músicos, o repertório traz as principais canções que fizeram parte da carreira de Sinatra, mas a decisão final da montagem partiu da cantora que, junto o seu produtor Nilson Raman e o maestro Flávio Mendes, compôs o roteiro do show.

“Eu não gosto de cantar a canção Strangers in the Night, então o que foi que fiz? Deixei para abertura, para não deixar de colocar uma música tão popular na voz do Sinatra”, disse Bibi durante coletiva de imprensa realizada nesta terça-feira (03) no Hotel Sol Victória Marina.

A última apresentação que a cantora e atriz fez na capital baiana foi em 2013 junto com a Orquestra Sinfônica da Bahia (OSBA) no show  “Bibi- Histórias e Canções”.

Bibi e o empresário / Foto: Genilson Coutinho

Trajetória

Prestes a fazer 94 anos de idade no dia 1 de junho, Abigail Izquierdo Ferreira, mais conhecida como Bibi Ferreira, soma 75 anos de carreira artística muito bem consolidados.

Filha do ator Procópio Ferreira e da bailarina espanhola Aída Izquierdo, Bibi começou a trabalhar profissionalmente aos 17 anos junto com o pai. Segundo ela, o sucesso adquirido deve-se a credibilidade do seu trabalho.

“Eu devo esse sucesso a uma coisa chamada credibilidade. Se eu prometo fazer algo, eu faço o melhor que eu posso. E o melhor que eu posso vem do meu pai que sempre dizia “Se você não fizer o melhor, não faça”, conta.

No currículo, Bibi acumula grandes trabalhos musicais  aclamados pelo público, como interpretação da francesa Edhit Piaf e a portuguesa Amália Rodrigues. Além desses, já foi diretora, apresentadora de TV e atuou no cinema. Mesmo com extenso trabalho, a artista diz que seu grande papel foi interpretar um rapaz de 20 anos que era padre, no clássico “O Noviço” (1945) de Martins Pena.

“Foi o trabalho mais difícil da minha carreira e o mais prazeroso. Porque se é difícil como foi e deu certo como deu é prazeroso”, afirma Bibi.

Com uma longa trajetória regada a grandes premiações, Bibi não se sente completamente realizada profissionalmente, mas afirma ser feliz com a carreira que escolheu.

“Dizer que a pessoa é realizada é uma coisa difícil. Completamente então, não creio. Não sou. Mas também não posso lhe dizer quê que falta. Eu trabalho muito desde tenra idade, ininterruptamente, e tenho adquirido uma prática muito grande tanto da vida como ser humano, com na carreira. E lhe digo, sinceramente, é uma carreira prazerosa quando é um espetáculo bem feito. Eu acho a minha carreira maravilhosa e não trocaria por nenhuma outra”, avalia.

Questionada sobre a atual conjuntura política do país, Bibi é categórica ao afirmar que não apoia nenhum candidato.

“Todos nós sofremos com a crise. Mas existe uma classe privilegiada e é este grupo que lota os meus espetáculos. Fico feliz por um lado e triste pelo outro. É difícil falar sobre política porque o ator pertence a todos os grupos.  Eu sou de todo os públicos”, ressalta.

Sobre a cena teatral, Bibi diz que o teatro sempre viveu de altos e baixos e que a fórmula para ter sucesso é simples e angustiante.

“O teatro é de altos e baixos sempre e só vive de uma coisa que é contrária a crise da sociedade: se ele tem um sucesso ele tem. Se não tem, não tem. É um ABC. E não se sabe nunca o que vai ser bom. Então, o que o público vai gostar é uma grande incógnita e isso é o que faz a gente se apaixonar loucamente pelo teatro. É ter aquela agonia quando você não sabe que o lado de lá gosta tanto quanto você gosta do lado de cá. É o momento de junção”, analisa.

Projetos

Em junho Bibi lança uma Foto Biografia e em outubro deve ser lançado CD e DVD do show “Bibi– Histórias e Canções”´, que celebrou seus 70 anos de carreira.

Apesar de manisfestar interesse em interpretar Dorival Caymi, a próxima empreitada da artista será homenagear uma cantora brasileira. As cotadas são Clara Nunes e Elisete Cardoso, que já foram dirigidas por Bibi.

A princípio, o show deve ter pré-estreia em novembro deste ano em Porto Alegre e Recife.

  • Nelson C

    Seria interessante o site ter destacado os comentários homofóbicos que essa senhora proferiu quando da exibição da novela Babilônia.