Espetáculo Desviante estreia nesta sexta (22), no Teatro Gregório de Matos

Slider
20 de setembro de 2017
por Genilson Coutinho

Com texto inédito escrito por Daniel Arcades, vencedor na categoria de melhor texto do prêmio Braskem de Teatro, o diretor Thiago Romero estreia Desviante, que fica em cartaz nos dias 22, 23, 29 e 30 de setembro, às 19h, no Teatro Gregório de Matos, com ingressos a R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia). O espetáculo, que tem números musicais e coreográficos, tem como inspiração os movimentos artísticos e culturais dos anos 60 e 70 e o período de ditadura militar no Brasil.

No ano de 1969, um grupo de artistas performáticos convergentes aos ideais da contracultura começa a ganhar notoriedade nas mídias da época e no circuito mundial das artes. Enquanto subvertem a ordem com extravagantes modos de travestimentos e dialogam com as necessidades de se manterem atuantes na arte brasileira devido a todo o momento de repressão instituído a partir do AI-5, um inesperado convite surge: fazer uma temporada de shows durante seis meses na Europa.

A proposta divide o grupo e instala provocações políticas jamais pensadas naquelas pessoas que até então tinham convicções de que sabiam quais eram os seus ideais. Sair do Brasil em um momento onde é tão necessário ficar e lutar seria fugir da luta ou expandir suas ideias? Com tantos artistas exilados na Europa, seguir como convidado para lá seria uma boa ideia?

O espectador acompanha a noite em que este grupo necessita definir como será o próximo semestre em um momento onde as pessoas não sabiam se estariam vivas nos próximos dias. A ideia do espetáculo é promover um debate entre Homossexualidade, Teatro e Ditadura Militar. “Desviante é um espelho que se reflete um passado tão semelhante aos tempos atuais”, declara Romero.

O dramaturgo Daniel Arcades acrescenta que, ao receber o convite de Thiago Romero para escrever o texto, a primeira pergunta que se fez foi: E hoje?. “Desviante é uma história datada, mas que traz uma grande proposta de reflexão sobre o papel de nós artistas nessas revoluções sociais, sobre o que queremos e devemos dizer/fazer. É um chamado para estarmos em constante alerta, que qualquer deslize parece que a história vai se repetir e o quanto perigoso é não cuidar disso. No espetáculo, estamos falando de uma história da década de 1970 que parece ser 2015”.

Contexto

Romero realça que, Desviante é um olhar no passado histórico para nos trazer ao presente. “Além disso, o espetáculo fala de coletivo, das verdades e lutas de cada indivíduo, das máscaras em um país que constrói essa imagem de liberal, mas que é tão conservador. Fala das ausências de perspectivas, das ilusões perdidas, desse falso sentindo de estar ou pertencer a um coletivo onde o que se quer é impor as individualidades”, descreve o diretor.

Desviante tem como pano de fundo o período da ditadura no Brasil, um período que era invisível as discussões de gênero, ao mesmo tempo que surgiram movimentos e grupos muito importantes para o país como os Dzi Croquettes, o Vivencial e o movimento tropicalista, que eram chamados da “Geração do Desbunde”.

“O desejo era que a peça investigasse e refletisse as complexas relações entre a ditadura militar e a homossexualidade, discutindo a relevância de incluir um recorte LGBT no trabalho de memória e verdade em relação aos crimes da ditadura. Ao mesmo tempo em que tem início a repressão, com a intensificação da prática de torturas e cassações, também emerge um espaço de sociabilidade novo com bares, restaurantes e boates com público exclusivamente LGBT”, explica o diretor, que ganhou o prêmio de melhor espetáculo adulto no Braskem de Teatro de 2016, com o espetáculo Rebola.

Projetos

Desviante faz parte de uma pesquisa de Thiago Romero em debater a homossexualidade pelo viés do teatro. “Essa pesquisa surgiu em 2014 quando tive contato com o livro Devassos no Paraíso, do João Silvério Trevisan. Na época, estava montando Revelo e naturalmente foi se tornando o gancho do meu trabalho em teatro que seria busca da construção de uma identidade gay em paralelo a uma identidade brasileira que muito tem no livro e assim foi nos espetáculos que criei Revelo, Rebola, Delicado, Anoitecidas”.

Entretanto, Romero acrescenta que o espetáculo inaugura um outro braço da pesquisa, que seria o entendimento dessa identidade gay narrada sob a perspectiva histórica e social, que também já é o norte de um outro trabalho a ser realizado em 2018. Para a construção do Desvianteme apoiei no livro Ditadura e Homossexualidades – Repressão, Resistência e A Busca da Verdade, do James Green. A peça não é o livro. O livro é o disparador do procedimento de pensar a esfera pública e a história do país, na qual a homossexualidade é vivida nas frestas, nos vãos, nos becos“.

Serviço
O quê: Desviante – direção de Thiago Romero
Quando: 22, 23, 29 e 30 de setembro, às 19h
Onde: Teatro Gregório de Matos – Praça Castro Alves, s/n – Centro
Ingresso: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia)