Entenda a importância dos preservativos na resposta ao HIV

AIDS em pauta, Comportamento, Social
29 de dezembro de 2016
por Genilson Coutinho

Os preservativos estão no centro de uma abordagem de prevenção combinada ao HIV; eles também são uma ferramenta com boa relação custo-benefício, já que funcionam na prevenção de outras infecções sexualmente transmissíveis e evitam a gravidez indesejada.

Estima-se que, em todo o mundo, 45 milhões de infecções pelo HIV tenham sido evitadas por meio do preservativo desde 1990. Se atingirmos a meta global de distribuição de preservativos até 2020,  evitaremos 3,4 milhões de novas infecções. O custo por infecção evitada seria de aproximadamente 450 dólares, bem abaixo do custo com a oferta do tratamento antirretroviral.

Lacunas na prevenção

Estagnação de fundos nacionais e internacionais para aquisição e programas de preservativos.

Uma lacuna anual de mais de 3 bilhões de preservativos masculinos na África subsariana.

Uso inconsistente de preservativo dentro de muitas populações e em locais mais necessitados, incluindo os desafios enfrentados pelas mulheres para negociar o uso de preservativo.

Disponibilidade insuficiente de lubrificantes e preservativos femininos.

Caminho a seguir

Aumentar os recursos para aquisição, distribuição e promoção de preservativos.

Fornecer preservativos masculinos e femininos em embalagens de prevenção combinada.

Diversificar os tipos de preservativos, incluindo o fornecimento de preservativos femininos junto a preservativos masculinos e lubrificantes.

Desenvolver novas abordagens para promover aumento no uso de preservativos e para melhorar a percepção positiva de preservativos entre as várias populações necessitadas.

Envolver as comunidades no fornecimento de preservativos e usar mecanismo inovadores de prestação de serviços.

Em 2015, estima-se que 1,9 milhão [1.7 a 2.2 milhões] de adultos (15 anos ou mais) foram infectados pelo HIV – a grande maioria através da transmissão sexual – e aproximadamente 357 milhões de pessoas adquiriram clamídia, gonorreia, sífilis ou tricomoníase. Todos os anos, mais de 200 milhões de mulheres têm necessidades não atendidas de contracepção, levando à gravidez indesejada aproximadamente 80 milhões delas.

Preservativos previnem eficientemente todas estas condições. Programas melhores de preservativos são parte fundamental das ambiciosas metas globais para oferta de acesso a serviços de prevenção abrangentes para 90% das pessoas em risco de infecção pelo HIV e para reduzir novas infecções por HIV para menos de 500 000 a nível mundial.

Em reconhecimento a isso, os países concordaram, por meio da Declaração Política sobre HIV e AIDS em 2016, em aumentar a disponibilidade anual de preservativos para 20 bilhões até 2020. Isso inclui aproximadamente cerca de sete bilhões de preservativos para a África subsaariana, anualmente, e 30 a 50 preservativos por homem por ano em países de alta prevalência.