Dois Terços realiza workshop sobre comunidade LGBTQ+ para jornalistas e estudantes

Notícias
28 de maio de 2018
por Redação

montagem01

O site Dois Terços irá realizar no dia 12 junho, das 9h às 17h, o primeiro workshop sobre a comunidade LGBTQ+ para jornalistas e estudantes do curso de jornalismo, que tenham interesse em ampliar o debate sobre o tema e contribuir para a construção de conteúdos diversificados nas redações.

O encontro abordará equívocos observados pela comunidade, como o uso constante de “do travesti” e não “da travesti”, entre tantos outros, causando constrangimento e desconforto às pessoas LGBTQ+.

O workshop integra a quarta edição do projeto Dois Terços de Prosa, que tem como objetivo promover debates, seminários e ações afirmativas dentro dos pilares do veículo.

Com o tema “Do GLS ao LGBT”, o encontro chega para contextualizar os profissionais da comunicação com as novas mudanças necessárias na luta contra preconceitos, capacitando esses profissionais para lidar com os novos modos de ver e falar da população LGBT, ao mesmo tempo abordando o modo como os LGBTs são vistos e tratados pela mídia.

Para debater esses assuntos, um time de profissionais da comunicação e do movimento LGBT discutirá os novos olhares voltados às redações, ao curso de jornalismo e ao dia a dia desses profissionais que poderão contribuir ainda mais na luta contra os preconceitos por meio da prática do jornalismo diário.

Dentre os convidados estão o professor do Instituto de Humanidades, Artes e Ciências (IHAC) e coordenador do grupo de pesquisa Cultura e Sexualidade (CUS), Leandro Colling, a professora de Comunicação da Católica, Beth Dantas, a presidente da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra), Keila Simpson, o jornalista e escritor Eder Luis Santana, e Tedson Souza, doutorando em Antropologia pela Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Para Genilson Coutinho, editor-chefe do site Dois Terços, a participação dos estudantes do curso de jornalismo é essencial para fortalecer e difundir novas práticas no mercado de trabalho. Além dos profissionais em exercício, os estudantes também poderão participar do evento com direito a certificado de participação.

“Receber o estudante de jornalismo é importantíssimo, pois sabemos que eles sairão da academia com o olhar diferenciado, principalmente quando forem produzir seus conteúdos pautados na comunidade LGBTQ+. Teremos muito a celebrar com a vinda deles, que além de acesso a novas informações, também terão a oportunidade de conhecer grandes profissionais da comunicação da cidade neste momento de socialização e de compartilhamentos de informações”, pontua Genilson Coutinho.

O evento conta com o apoio do Wish Hotel da Bahia, Pub Senhorita Malfada, Shopping da Bahia e Biz Comunicação Integrada.

As inscrições podem ser feitas gratuitamente por meio do link: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSf9iQgf3kxVbeaOIRjl-Y5gbHiBeWLkkgvdQKQVXYJ8nEo5vg/viewform.

Programação:

9h – Abertura oficial: Genilson Coutinho (fotógrafo, influenciador digital e militante)

10h – Exposição “Do bê-á-bá das siglas à história do movimento LGBT no Brasil”

           Responsável Prof. Drº Leandro Colling (CUS/UFBA)

11h – As mídias sociais e os LGBT

           Responsável Profa. Msc. Beth Dantas (UCSAL)

12h – Almoço

14h – Como os LGBT são tratados na mídia

          Responsável: Jornalista e doutorando Tedson Souza (UFBA)

15h – Como lidar com a diversidade e as mudanças na prática jornalística

           Responsável Eder Luis Santana (jornalista e escritor)

16h – Como a mídia pode ser um aliado nas lutas da comunidade LGBT

           Responsável: Keila Simpson (ativista LGBT e presidenta da ANTRA)

17h – Encerramento: Scarlet Sangalo

Serviço:

“Do GLS ao LGBT”: I Workshop para Estudantes e Jornalistas

Data: 12 de junho de 2018

Horário: das 9h às 17h

Local: Wish Hotel da Bahia

Inscrições: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSf9iQgf3kxVbeaOIRjl-Y5gbHiBeWLkkgvdQKQVXYJ8nEo5vg/viewform

Realização: Dois Terços

Gratuito

  • Graziela Miranda Neri

    Ótimo tema de discussão. A melhor forma de combater distorções e preconceitos é com debate e mobilização. Há que se dar visualização à causa, uma hora se alcança o desejado. Chega de preconceito, já!!!

  • Líliam Sampaio Cunha

    Extremamente necessário para que possamos aprender e entender o significado das “novas” expressões que definem o público LGBTQ+, bem como a forma como como podemos utilizar o nosso trabalho para combater o preconceito e a homofobia. Já me inscrevi!

  • Milla Carol

    parabéns pela iniciativa