Doc que acompanha LGBTQI+ lança cartaz e estreia em festival francês

Cinema, No Circuito
9 de março de 2020
por Genilson Coutinho
Foto: Henrique Hennies

Para onde voam as feiticeiras“, de Eliane Caffé, Beto Amaral e Carla Caffé, foi selecionado para a 32ª edição do Festival de Cinema Latino‑Americano de Toulouse, que acontece entre 20 e 29 de março, na França. O filme, que compete na categoria Longa-metragem Documentário, será exibido segunda-feira, dia 23 de março, às 18h30, no ABC, e quinta-feira, 26 de março, às 13h20, no Cinémathèque salle 1. Eliane Caffé e Beto Amaral estarão presentes nas sessões, que marcam a estreia mundial do filme. A produção é da Aurora Filmes em coprodução com Cisma Produções.

O longa propõe uma interação direta e encenações de LGBTQI+ nas ruas do centro de São Paulo. O diálogo busca uma experiência cinematográfica a fim de provocar e refletir sobre a história do preconceito no Brasil, desde a colonização aos dias atuais. No centro da narrativa polifônica criada junto aos diferentes segmentos e lutas presentes no filme está a importância das alianças políticas entre os movimentos de resistência negra, indígena, LGBTQI+ e de ocupação urbana dos trabalhadores sem-teto. O documentário entrelaça realidade e ficção para fazer emergir as camadas mais sutis, profundas e enraizadas do preconceito. 

Para onde voam as feiticeiras” é a estreia na direção de um longa-metragem de Beto Amaral, produtor de “Partida”, “O Banquete”, “Vazante” e “Insolação” e corroteirista em “Vazante”. É o segundo trabalho que Carla Caffé e Eliane Caffé fazem juntas, depois de “Era o Hotel Cambridge”, longa que competiu na mesma categoria do festival em 2017. Além da direção, Carla também assina a direção de arte e Eliane, a montagem do longa. Carla foi responsável pela direção de arte dos filmes “Central do Brasil”, “Narradores de Javé” e “O Primeiro Dia”. Já Eliane assinou a direção e roteiro de “O Sol do Meio Dia”, “Narradores de Javé”, entre outros. O filme conta com a participação especial de Judith Butler.

Com:

Ave Terrena Alves

Fernanda Ferreira Ailish

Gabriel Lodi

Mariano Mattos Martins

Preta Ferreira

Vitor Lopes

Wan Gomez

Participações Especiais:

Helena Vieira, Judith Bulter, Sonia Barbosa Ara Mirim, Davis Kari Poygua Guaraní Mbya, Beth Beli, Ilú Oba de Min, Carmen Silva, Diego Moraes, Ivaneti Araújo, Erika Hilton, Renata Carvalho, Verónica Valentinno, Amara Moira, Pastor Henrique Vieira, Jomarina Abreu Pires da Fonseca e Cindy Tobias da Silva

Ficha Técnica:

Direção: Eliana Caffé, Carla Caffé e Beto Amaral

Produzido por: Rui Pires e André Montenegro

Produção Executiva: Sônia Hamburger, André Montenegro e Rui Pires

Direção de Fotografia: Leonardo Feliciano

Câmera: Manoela Rabinovitch

Direção de Arte: Carla Caffé

Direção de Som: Vasco Pimentel

Edição de Som e Mixagem: Vasco Pimentel e Pedro Noizyman

Trilha Sonora: Carlinhos Antunes e Riu Barossi

Montagem: Eliane Caffé

Coordenação Executiva: Andrea Lanzoni

Produção de Finalização: Beto Bassi

Assistente de Direção: Tarsila Araújo

Produção: Aurora Filmes

Coprodução: Cisma Produções

Duração: 89 min

Sobre a diretora e montadora – Eliane Caffé:

Eliane Caffé iniciou sua carreira como cineasta realizando três premiados curtas: “O Nariz” (1987), “Arabesco” (1990) e “Caligrama” (1995). Em seguida, roteirizou e dirigiu quatro longas. O mais recente, “Era o Hotel Cambridge” (2017) participou de festivais nacionais e internacionais, sendo aclamado por público e crítica e recebendo vários reconhecimentos, entre eles os importantes prêmios de pós-produção Prêmio da Indústria – Cine en Construcción – San Sebastián Festival 2015 (Espanha) e o Hubert Buls Fund 2015 – Rotterdam (Holanda). Anteriormente, realizou os também premiados “Kenoma” (1998), “Narradores de Javé” (2002) e “O Sol do Meio Dia” (2009). É reconhecida por seus projetos autorais e audaciosos, sempre buscando inovação de linguagem em sua narrativa.


Sobre a diretora e diretora de arte – Carla Caffé:

Carla Caffé é artista diretora de arte e professora. Participou de importantes mostras internacionais entre elas a Bienal de Veneza 2018. Seus principais projetos realizados em cinema são entre outros: “Era o Hotel Cambridge” (Eliane Caffé, 2017) e “Central do Brasil” (Walter Salles, 1998). Publicou quatro livros, sendo os mais recentes “Era o Hotel Cambridge, arquitetura, cinema e educação”, edições SESC e o livro de artista “A (e) rea Paulista”, publicado pela Galeria Vermelho. É reconhecida por seus projetos multidisciplinares envolvendo práticas pedagógicas. 


Sobre o diretor – Beto Amaral:

Beto Amaral produziu, entre outros projetos, “Insolação” (Felipe Hirsch e Daniela Thomas, 2009) que teve sua estreia mundial no Festival de Veneza 2009. Foi corroteirista e produziu “Vazante” (Daniela Thomas, 2018), que abriu a Mostra Panorama do Festival de Berlin 2017. Colaborou no roteiro e produziu o filme “O Banquete” (Daniela Thomas, 2018). Produziu o DOC “Partida” (Caco Ciocler, 2020) que terá sua estreia mundial no próximo Festival de Málaga.

Sobre a produtora – Aurora Filmes:

Aurora Filmes é uma produtora audiovisual fundada em 2006. Com projetos nacionais e internacionais voltados para cinema e TV, suas produções são aclamadas por crítica e público e já participaram de festivais como Festival de Cannes, Berlinale, Locarno Festival, Festival Internacional de Cinema de Rotterdam, Festival Cinélatino Encontros de Toulouse, Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, Festival do Rio, entre outros. Em 2017, a Aurora Filmes lançou seu mais recente longa-metragem, “Era O Hotel Cambridge” (Eliane Caffé, 2017), que recebeu os prêmios de pós-produção e finalização Hubert Bals Fund e Cine en Construcción/Prêmio da Indústria do Festival de San Sebastián, e as séries de TV “Axogun” (5 episódios, 26 min) e “A Grande Viagem” (13 episódios, 26 min), indicada ao Emmy Kids Internacional. Seus próximos lançamentos, previstos para 2020, são: O longa metragem “Sobre Girassóis” (dirigido por Caroline Fioratti), o longa-metragem “Meu Último Desejo” (dirigido por Arnaldo Jabor) e o documentário “Para Onde Voam as Feiticeiras” (dirigido por Eliane Caffé, Carla Caffé e Beto Amaral)

Deixe seu comentário

Sem comentários, seja o primeiro.