Dilemas de garoto de programa são retratados em novela global

Sem categoria
25 de dezembro de 2011
por Genilson Coutinho

As novelas do horário nobre da Rede Globo são famosas por abordarem temas da realidade. A bola da vez na novela de Aguinaldo Silva é a história de Leandro dos Anjos, jovem que mantém algumas atividades suspeitas. No capítulo desta segunda-feira, 26, a sua mãe, Dagmar dos Anjos, irá descobrir o seu segredo e revelará ao público o conflito do personagem com o fato do mesmo ser um garoto de programa.

Profissionais do sexo, como preferem ser chamados, ganham a vida dando prazer aos clientes que procuram uma aventura, ou que simplesmente não encontram mais o fogo sexual em casa. O que muitos esquecem é que esses profissionais possuem relacionamentos e até casamentos estáveis e que precisam conciliar os seus sentimentos com a sua carreira. Mas a questão fica: o que você faria se descobrisse que o seu namorado é um garoto de programa?

Neste ano, alguns garotos e garotas de programa se destacaram na mídia e levantaram a polêmica do uso do corpo para satisfazer desejos e para manter uma casa. A ex-prostituta Raquel, mais conhecida como Bruna Sufistinha, foi personagem central do filme que leva o nome de sua criação. Apesar de ter escolhido essa vida, Bruna ou Raquel, deixou de fazer programas por espontânea vontade, o que não acontece na maioria das vezes com as pessoas nesta área.

Outro caso foi o de Alexandro Rocha que estava a procura de uma namorada no programa da Eliana. Assim que o programa foi ao ar, os cuecas de plantão reconheceram o rapaz como o ator Marcelo Cabral que faz filmes pornográficos destinados ao público gay. Segundo o próprio Marcelo, um dos seus três casamentos revelou que a mulher sabia de sua profissão e encorajava-o por motivos financeiros. Mesmo sendo um ator pornô, Marcelo mantinha a sua vida pessoal separada da profissional.

Mas a questão ainda fica. Com o trabalho considerado mais antigo no mundo, como homens e mulheres conciliam os seus programas com os seus sentimentos, e como as pessoas que estão próximas são afetadas por essa escolha? Valeria a pena namorar um garoto de programa, que divide o seu corpo com clientes em diferentes cenários e em casa? As respostas para estas indagações podem estar mais distantes que a própria realidade desses profissionais, que ganham pelos programas, mas que pagam o preço por esse dinheiro.

Por Bira Vidal