Dia Mundial de Combate à Tuberculose: especialista alerta para a importância de prevenir a doença

Comportamento, Saúde, Social
23 de março de 2016
por Genilson Coutinho

Salvador é a 4ª capital em números de casos de tuberculose no país. Segundo dados da Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab), até agosto de 2015 foram registrados 2.537 novos casos, sendo 1.127 pessoas infectadas somente na capital. Às vésperas do Dia Mundial de Combate à Tuberculose (24 de março), esses números alertam para a importância de se prevenir ainda mais o problema.

De acordo com o infectologista e responsável técnico pelo serviço de vacinas do Laboratório Sabin, Claudilson Bastos, a tuberculose pode ocorrer em qualquer idade, com maior frequência na idade adulta, e apresenta alguns sintomas clássicos. “Tosse persistente por três semanas ou mais, com secreção ou não, febre vespertina, sudorese noturna e emagrecimento, embora indivíduos com bom estado geral e sem perda de apetite também possam apresentar a doença”, explica.

A tuberculose é uma doença infecciosa e transmissível causada pela bactéria Mycobacterium Tuberculosis ou Bacilo de Koch (BK), que afeta prioritariamente os pulmões, mas pode ocorrer também em outros órgãos do corpo, como ossos, rins e meninges. A transmissão ocorre por via aérea a partir da inalação de gotículas contendo bacilos expelidos pela tosse, fala ou espirro de uma pessoa portadora da doença.

Prevenção

A vacina BCG e a quimioprofilaxia são as principais formas de prevenção, como explica Claudilson Bastos: “A BCG é aplicada no primeiro mês de vida e é capaz de prevenir as formas mais graves da doença nas crianças, então é muito importante que os pais estejam atentos ao calendário de vacinação infantil. Já a quimioprofilaxia é indicada para algumas pessoas que não estão doentes, mas que apresentam algum tipo de risco, e consiste em tomar medicamentos por seis meses para evitar ou minimizar os riscos da doença”.

Diagnóstico e Tratamento

Segundo o especialista, a baciloscopia direta do escarro e a radiografia do tórax são os métodos mais utilizados para diagnosticar a tuberculose. “A baciloscopia é um exame rápido e de baixo custo, feito através da coleta do escarro obtido com o esforço da tosse. E através da radiografia é possível identificar o tipo e a extensão do comprometimento pulmonar”, afirma.

Caso seja confirmada a doença, o paciente passará por um tratamento durante, geralmente, seis meses que leva à cura, desde que haja boa adesão, com uso diário da medicação. “O tratamento deve ser diretamente observado, que é quando um profissional da equipe da unidade de saúde observa a tomada da medicação do paciente desde o início do tratamento até a sua cura”, complementa Bastos.