Decano do movimento gay fala sobre o Dia Mundial contra a Homofobia

Notícias
16 de maio de 2015
por Genilson Coutinho
Luiz Mott, decano do movimento homossexual no Brasil e fundador do GGB, Grupo Gay da Bahia. (Foto: Genilson Coutinho)

Luiz Mott, decano do movimento homossexual no Brasil e fundador do GGB, Grupo Gay da Bahia. (Foto: Genilson Coutinho)

Luiz Mott

O termo homofobia – ódio à homossexualidade – foi cunhado em 1972 nos Estados Unidos, introduzido no Brasil pelo Grupo Gay da Bahia em 1984. O Dia Mundial contra a Homofobia, 17 de maio, foi estabelecido em 2005, pelo ativista Tin, e divulgado no Brasil por Luiz Mott em 2006, oficializado em 2010 por decreto do Presidente Lula como Dia Nacional contra a Homofobia.

O Brasil destaca-se vergonhosamente no cenário mundial como país campeão de assassinatos homofóbicos: 50% dos crimes contra LGBT são cometidos em nosso país, 326 homicidios em 2014, uma média de uma morte violenta a cada 27 horas, dos quais  53% gays, 43% travestis e 4% lésbicas. Crimes de ódio, com requintes de crueldade: dezenas de facadas e tiros, múltiplos instrumentos de tortura, empalamento e castração das vítimas. Em 2015 já foram documentados 122 assassinatos.

São Paulo é em termos absolutos a metrópole onde ocorreram mais assassinatos no ano passado: 16, seguido do Rio de Janeiro e Bahia. João Pessoa é a capital mais perigosa, com 15,3 vitimas por milhão de habitantes, seguida de Teresina 11,9 e Cuiabá, 10,4. Enquanto no Brasil como um todo, os LGBT assassinados representam 1,6 de cada um milhão de habitantes, na Paraíba esse risco sobe para 4,5 e 4,1 para o Piauí.

Durante décadas, o Nordeste foi à região de maior incidência de crimes homofóbicos: pela primeira vez em 2014, o Centro-Oeste emerge como a região geográfica mais intolerante, com 2,9 de “homocídios” para cada 1 milhão de habitantes, seguido do Nordeste (2,1), Norte (1,5), Sudeste (1,2) e Sul – a região menos violenta, com 0,7 mortes.

Segundo o fundador do Grupo Gay da Bahia, responsável pelo site Quem a homotransfobia matou hoje,  “Lastimavelmente, a violência anti-homossexual cresce incontrolavelmente no Brasil. Nos 8 anos do governo FHC, foram documentados 1023 crimes homofóbicos, uma média de 127 por ano; no Governo Lula, subiram para 1306, com média de 163 assassinatos por ano; nos quatro anos do Governo Dilma, tais crimes já atingiram a cifra de 1569 mortes,  com média de 392 assassinados anuais – mais que o dobro dos governos anteriores.”

Para Eduardo Michels,  responsável do banco de dados sobre crimes contra LGBT, “falta vontade política da Presidenta em cumprir sua repetida promessa eleitoral de criminalizar a homofobia. Além de crescentes, esses crimes se tornam cada vez mais cruéis e bárbaros.”

Como o gay Helmiton Figueiredo, 30 anos, assassinado com 60 facadas em Cabo de Santo Agostinho (PE); a travesti Agata Renata, 18 anos, de Campo Grande (MS), estuprada, morta por espancamento e jogada dentro de um rio; os gays Jonhy Lima, 19 anos e Saulo Tavares, 24, esfaqueados em Vila Velha (ES); o jovem de 14 anos, Peterson Ricardo Oliveira, de Itaquaquecetuba (SP), espancado na escola por ser adotado por pais gays.

Todos os detalhes sobre crimes contra LGBT estão documentados neste link.