Coração Azul: cantora Larissa Luz é a nova madrinha da campanha na Bahia

Comportamento, Social
27 de julho de 2017
por Genilson Coutinho
Durante o Julho Azul, mês de prevenção e enfrentamento ao tráfico humano, a Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (SJDHDS) adere à campanha internacional Coração Azul e realiza uma série de ações de combate ao tráfico de pessoas em todo Bahia. Para representar a iniciativa deste ano no Estado, a cantora baiana Larissa Luz foi escolhida como madrinha por acrescentar, à causa, todo o seu histórico de luta e resistência.
Dona de uma voz forte e empoderada, a artista vêm mostrando atitude dentro e fora do palco através de letras cheias de representatividade em homenagem às mulheres negras. Graças à personalidade forte e musical, ela já recebeu indicações ao Grammy Latino 2016, na categoria Melhor Álbum de Pop Contemporâneo em Língua Portuguesa, com o trabalho “Território Conquistado”, e no 28º Prêmio da Música Brasileira como Melhor Cantora de Pop/Rock/Reggae/Hip Hop e Funk, além de participar das ações da Campanha “Respeita As Mina”, realizada pela Secretaria de Políticas para Mulheres (SPM-BA) durante o carnaval deste ano.
Segundo Larissa, a ação é necessária para que a população busque ajuda e não se cale diante dessas situações. “Ainda há um constrangimento, vergonha nas pessoas que passam por esse tipo de situação, fazendo com que não denunciem, o que dificulta o processo investigativo e, consequentemente, a captura das quadrilhas responsáveis. É preciso haver mais denúncias por parte da população e isso me faz querer participar, principalmente porque  a maior parte das vítimas é de mulheres jovens, pretas e pardas, o que vai ao encontro da minha proposta artística que aborda o empoderamento feminino negro”, ressaltou.
Em Salvador, as vítimas deste tipo de crime são, especialmente, mulheres com idade entre 18 e 32 anos, do Subúrbio Ferroviário e de Cajazeiras, em situação de vulnerabilidade social, econômica e de baixa escolaridade, que são destinadas à exploração sexual. “Eu espero passar, através da minha imagem, coragem para falar, denunciar e chamar atenção para que essas mulheres não sejam vítimas, além do acolhimento diante da sensação de estar só”, enfatizou Larissa.
A programação da Campanha Coração Azul, que começou no dia 10 de julho, prevê mobilizações na capital e no interior até o dia 31 deste mês. Na próxima sexta-feira (28), acontece, das 8h30 às 12h, o Seminário de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas, no Auditório J. J. Calmon de Passos, sede do Ministério Público do Estado (MP-BA), em Nazaré. O evento, promovido pela SJDHDS, é aberto ao público e marca o lançamento da campanha.
A campanha
Criada pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) em 2013, a campanha internacional Coração Azul tem, como objetivo, sensibilizar e mobilizar instituições, governos e a população de diferentes países contra o tráfico de pessoas; crime definido por práticas de exploração sexual, trabalho forçado, extração de órgãos e adoção ilegal de crianças.
A Organização das Nações Unidas (ONU) estima que o tráfico humano é um dos crimes mais lucrativos, movimentando cerca de US$ 32 bilhões por ano. No Brasil, segundo dados do Ministério da Justiça, foram acompanhados 352 possíveis casos de tráfico de pessoas só no primeiro semestre de 2016. Na Bahia, o Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas (NETP-BA) da SJDHDS já atendeu, só de 2011 a 2017, mais de 150 vítimas de exploração sexual e adoção ilegal no estado. Em relação ao trabalho escravo no mesmo período, foram mais de 1,1 mil casos registrados.