Programação: V Mostra Possíveis Sexualidades 2012

Notícias
4 de outubro de 2012
por Fábio Rocha

Programação da Mostra por dia:

Dia 17 de outubro:
19h – Abertura Mostra Possíveis Sexualidades com a exibição do filme:
Quem tem medo de Cris Negão? (René Guerra, Brasil, 25 min). Bate-papo após a sessão com o diretor René Guerra.
20h – Coquetel de abertura.

Dia 18 de outubro:

Conjunto Caixa Cultural:
15h – Língua Materna (Liliana Paolinelli, Argentina, 2010, 78)
17h – Família no Papel (Fernanda Friedrich & Bruna Wagner, Brasil, 2011, 52 min.) Bate papo com a diretora após a sessão

Instituto Cervantes:
15h – Mostra Competitiva de Curtas nacionais.

SALADEARTE Cinema do Museu:
20h – Verão em LA (Eldar Rapaport, EUA, 2011, 100 min.)

Dia 19 de outubro:

Conjunto Caixa Cultural:
15h- Pasajes(Daniel Calparsoro, Espanha, 1996, 85 mim.)
17h – Eloïse (Jesús Garay, Espanha, 2009, 92 min.)

Instituto Cervantes:
15h – Mostra Competitiva de Curtas nacionais.

Dia 20 de outubro:

Conjunto Caixa Cultural:
09h ás 13h – Workshop A realidade íntima do documentário
14h – Mesa de debate: Se Deus é menina e menino…
16h – Costa brava (Marta Balletbó-Coll, Espanha, 1995, 95 mim.)
18h -80 Dias (Jon Garaño & José María Goenaga, Espanha, 2010, 104 min.)
20h – Ausente (Marco Berger, Argentina, 2011, 87 min.)

Instituto Cervantes:
15h: Mostra Competitiva de Curtas nacionais.

Dia 21 de outubro:

Conjunto Caixa Cultural:
14h – Tierra Madre(Dylan Verrechia, México, 2010, 62 mim.)
16h – Guerriller@s (Montse Pujantell, Espanha, 2010, 54 mim.)
18h -Romeos (Sabine Bernardi, Alemanha, 2011, 94 min.)
20h – Olhe pra mim de novo (Kiko Goifman & Claudia Priscilla, Brasil, 2012, 77 min.).
Instituto Cervantes:
15h – Mostra Competitiva de Curtas convidados
16h – Mostra Competitiva de Curtas Lésbicos.

SALADEARTE Cinema do Museu
21h:30 – Lançamento curta Desvelo(Clarissa Rebouças, Brasil, 2012, 15 mim)

SINOPSES FILMES:

80 Dias (Jon Garaño & José María Goenaga, Espanha, 2010, 104 min.)
A vida de uma senhora casada renova-se ao reencontrar uma amiga da juventude. A descoberta madura do amor lésbico entre Axun e Maite continua, no entanto, limitada pelas convenções sociais.

Família no Papel (Fernanda Friedrich & Bruna Wagner, Brasil, 2011, 52 min.)
Documentário sobre casais homoafetivos e seus filhos, sobre as batalhas pelo reconhecimento legal dessas famílias vítimas de preconceito e discriminação. O filme desmistifica os conceitos de normalidade erradamente aplicados para classificar famílias de todo o Brasil.

Costa brava (Marta Balletbó-Coll, Espanha, 1995, 95 mim.)
Uma garota, uma guia turística de Barcelona, e uma engenheira sísmica, criada em Boston, procuram juntas a felicidade. Esta historia de amor é a notável opera prima de Marta Balletbó Coll, diretora do premiado Sevigné. Ganhadora do Premio do Público nos festivais de Los Ángeles e San Francisco.

Guerriller@s(Montse Pujantell, Espanha, 2010, 54 mim.)
Guerriller@s é uma reflexão sobre a identidade de gênero, uma reflexão sobre a construção de gênero e suas estratégias de controle a partir de um grupo bastante heterogêneo de militantes pela luta transexual e transgénero.

Terra madre(Dylan Verrechia, México, 2010, 62 mim.)
Tierra Madre é baseado em numa historia real de Aidee González, passando pelo inicio como bailarina erótica, o cuidado de seus filhos, e o encontro com sua namorada, Rosalba.

Pasajes(Daniel Calparsoro, Espanha, 1996, 85 mim.)
Gabi é uma jovem marginal, que sobrevive com uma gangue, sempre fugindo da policia. Em seu mundo, Gabi leva a voz cantante, exercitando um raro controle sobre seus colegas. Um dia Gabi encontra Carmina, uma alcoólatra desempregada, e decide convertê-la na mulher de seus sonhos.

Olhe para mim de novo (Kiko Goifman & Claudia Priscilla, Brasil, 2012, 77 min.)
No sertão nordestino, Silvyio Luccio, um homem transexual, apresenta seu modo particular de viver a vida sob uma perspectiva masculina. Nesse documentário, afloram questões de seu passado, a relação com familiares próximos e o desejo pela cirurgia de transgenitalização.

Ausente (Marco Berger, Argentina, 2011, 87 min.)
Interessado em seu professor de educação física, um adolescente arquiteta uma maneira de se aproximar dele. O filme trabalha com a tensão crescente entre os personagens, invertendo a abordagem habitual sobre abuso em relacionamentos intergeracionais

Eloïse (Jesús Garay, Espanha, 2009, 92 min.)
A jovem Asia está em coma após um sério acidente. Através de flashbacks, são mostrados os acontecimentos que a levaram para o hospital: seu relacionamento com a mãe, amigas e o namorado e, sobretudo, seus sentimentos por uma outra mulher, Eloïse.

Língua Materna (Liliana Paolinelli, Argentina, 2010, 78)
Estela descobre que sua filha Ruth é lésbica e mantém uma longa relação com uma política. Ela supera seu choque inicial, busca se informar sobre a homossexualidade e decide se aproximar do casal, o que Ruth – em um momento díficil de sua relação – encara como uma intromissão.

Romeos (Sabine Bernardi, Alemanha, 2011, 94 min.)
Lukas é um rapaz transexual, fazendo a transição de mulher para homem. Fabio, um gay atraente e descolado, que logo atrai e será atraído por Lukas. A distinção entre noções de identidade e orientação sexual são o cerne dessa trama romântica.

Verão em LA (Eldar Rapaport, EUA, 2011, 100 min.)
De volta a Los Angeles, Jonathan busca reatar seu relacionamento com Troy. O antigo namorado guarda, no entanto, ressentimentos pelo término, além de estar em uma relação estável com Raul. Um filme sobre fidelidade, traição e a possibilidade de reatar um compromisso quebrado.

Mostra Especial (CURTAS LÈSBICOS)
Luz(Pablo Aragüés, Espanha, 2010, 14mim.)
Luz é uma jovem lésbica. Sua mãe, doente em estado terminal, não é capaz de assumi-la. Porém, Luz será capaz de qualquer coisa para que sua mãe saiba do amor que sente por ela.

El cielo de los ratones(Carla Teresa Cavina, Puerto Rico, 2009, 20mim.)
Uma mãe, uma criança e uma amante se encontram e desencontram no amor.

El patio de mi casa(Pilar Gutiérrez, Argentina, 2010, 24mim)
Maria, seu filho Jonas, e Laura são vizinhos e vão descobrir que possuem muitas coisas em comum, mas do que pensavam.
Doble fila(Olaf González Schneeweiss, Espanha, 2011, 14mim.) Após o acidente de sua esposa Empar, Maribel terá que tomar uma importante decisão.

CURTAS NACIONAIS CONVIDADOS (FORA DE COMPETIÇÂO):

Desvelo( Clarissa Rebouças, Brasil, 2012, 15 mim)
Luzia se apaixona por Léo, mas para viver esse amor precisa fugir da cidade em que vive e do ciúmes de seu ex namorado, Diogo . Durante o caminho, o casal passa por aventuras onde Luzia descobre a verdadeira identidade de Léo e conhece o que é o amor.

Joelma (Edson Bastos, Brasil, 2011, 20mim)
O curta narra os conflitos da personagem título, que diante da não aceitação da sua identidade de gênero por parte de seu pai, é posta pra fora de casa, mudando-se para Salvador. Lá, conhece Antônio, um mendigo, por quem se apaixona e casa. Após fazer a cirurgia de redesignação sexual retorna para Ipiaú, sua cidade natal, onde tem sua rotina bruscamente alterada, com o surgimento de João, pivô do assassinato que mudará sua história
Quem tem medo de Cris Negão? (René Guerra, Brasil, 25 min)
Um mergulho no universo marginal das travestis a partir da figura lendária e violenta de Cristiane Jordan ou Cris Negão, cafetina do centro de São Paulo.

Os Sapatos de Aristeu (René Guerra, Brasil, 2008, 17 min.)
Uma travesti morta é preparada para o velório por suas companheiras. Após receber o corpo, a família resolve, no entanto, enterrá-lo como homem.

MOSTRA COMPETITIVA DE CURTAS:

PROGRAMA 1: Descobertas

Depois da curva (Helton Paulino, PB, 2009, 18 min.)
Uma viagem de trabalho faz um motorista iniciante reavaliar seus sentimentos e uma antiga amizade.

Lamúria (Nathan Cirino, PB, 2011, 15 min.)
Bruno precisa compor um poema para uma aula de literatura. A elaboração da tarefa será uma tentativa de expressar o que sente pelo professor.
Maçã (Pedro Paulo de Andrade, SP, 2011, 11 min.)
Uma abordagem do desejo naquilo que ele pode ter de dúvida, de variedade e até de fantástico.

Parede branca do que poderia ser (Pedro Paulo de Andrade, SP, 2011, 17 min.)
Compondo juntas uma canção, duas jovens vão se deparar com sentimentos, que encontram uma forma inusitada de se expressar.

PROGRAMA 2 – Desilusões

Diálogo (Dannon Lacerda, RJ, 2010, 18 min)
Proximidade e distanciamento. O universo de Caio e Fernando reflete situações e sentimentos comuns nas relações de sexo e amor.

Elección (Daniel Torres, SP, 2011, 11 min)
“Elección”, em espanhol, é escolha. A diversidade de opções pode nos tornar cegos diante de nossas próprias escolhas.

O Convite (Geovane Peixoto, BA, 2012, 10 min.)
Prestes a se casar com uma mulher, jovem gay precisa encontrar uma maneira de se libertar dos padrões impostos pela sociedade, religião e família.

Ontem (Patricia Galucci, SP, 2010, 12 min.)
A adolescente Helena foge de seu cotidiano para ter uma esperada noite de amor em um hotel. Na ocasião, ela se vê diante de perdas e desilusões.

PROGRAMA 3: Redescobertas

A Melhor Idade (Adriano Big, BA, 2012, 5 min.)
A sexualidade madura desconstruindo preconceitos, paradigmas e a ditadura da imagem.

Irene (Patricia Galucci & Victor Nascimento, SP, 2011, 13 min)
Uma senhora vê seu isolamento perturbado pela inesperada visita da neta com uma amiga, algo que faz aflorar sentimentos antes esquecidos.
Solemne Simpatia (Pedro Dell’Orto, Brasil-Argentina, 2011, 10 min.)
Um homem com desejo de se vestir como mulher é vigiado por uma curiosa vizinha.

MESA DE DEBATE:
Se Deus é menina e menino: Conjunto Caixa Cultural Dia 20 ás 14h.
A mesa discute o valor da masculinidade em mulheres lésbicas e da feminilidade em homens gays. De que modo tais assunções identitárias podem ser encaradas com uma forma de questionar a norma e clamar por respeito à diversidade? Como certos indivíduos vão além da simples assunção de clichês do masculino e feminino para uma verdadeira superação das tão marcadas dicotomias genérico-sexuais? Seria assim abordada a tênue fronteira entre o reforço de determinados preconceitos (a lésbica machona e o viado fresco) e a proposta de uma nova relação com usuais expectativas e parâmetros relativos aos gêneros.
Participantes da Mesa: Marcelo Souza Brito(Coletivo Cruéis Tentadores) e Tiago Duque(UFSCAR).
Mediação: Bárbara Juliana Vieira(Multi).

Sobre os participantes:

Marcelo Sousa Brito: Ator e diretor teatral, criador do Coletivo Cruéis Tentadores e doutorando em Artes Cênicas (PPGAC-UFBA). Prêmio Braskem de Teatro na Categoria Revelação 2006 pelo espetáculo “Guilda”. Estudou cinema em Paris no Cours Florent (2002) e tem no seu currículo espetaculos como “Luz”, “Rádio Híbrida”, “Chame isso como quiser I e II”, “Gender Trouble” e “São elas os homens de hoje”. O cinema sempre fez parte das criações do encenador seja na forma de preparar o elenco ou como recurso para a cena.

Tiago Duque é doutorando em Ciências Sociais na UNICAMP e mestre em Sociologia pela UFSCar. Trabalha como professor no Centro de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas da PUC Campinas. Milita no Identidade – Grupo de luta pela Diversidade Sexual. Desenvolve pesquisas sobre Gênero, Sexualidade, Educação, Aids e Direitos Humanos. É autor do livro “Montagens e desmontagens: desejo, estigma e vergonha entre travestis adolescentes”, lançado em 2011 pela Editora Annablume.

WORKSHOP:
A realidade íntima no documentário: Conjunto Caixa Cultural Dia 20 das 09h ás 13h.

Ministrante: Ana Cecília Costa é Mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC/SP(2010), com pesquisa sobre o documentário autobiográfico, intitulada “Documentário em primeira pessoa: relatos íntimos no audiovisual” sob orientação do Profº Dr. Arlindo Machado. Possui graduação em Cinema/Bacharelado pela Universidade Estácio de Sá/RJ. Trabalha a vinte anos como atriz profissional nas áreas de TV, Teatro e Cinema, bem como assitente de direção, montagem e diretora. Desenvolve pesquisa e curadoria de ensaios audiovisuais focados na realidade íntima do sujeito.

Ementa: A proposta do evento é apresentar, analisar e debater com o público trechos de obras focadas na realidade privada do sujeito-protagonista. Nestes casos, o artista aponta a câmera para si mesmo, no sentido de perscrutar a própria intimidade, deixando vir à tona conflitos, que são, via de regra, tematizados pelo cinema de ficção e não pelo cinema documental. Esse movimento foi chamado nos Estados Unidos de auto-etnográfica por possuir um caráter de autoafirmação das minorias socias excluídas do discurso majoritário das grandes mídias. Nosso recorte será das questões ligadas ao desejo e sexualidade tratadas nos ensaios autobiográficos dos artistas Sadie Benning, Karim Ainouz, Jonathan Caouette, Su Friedrich, Kazuo Hara, entre outros.

20 Vagas disponíveis

Teatro de Rua:
A ALMA ENCANTADORA DO BECO, da Cia Atelier Voador.

A ALMA ENCANTADORA DO BECO é um espetáculo de variedades com dose de política identitária. Baseado no livro de João do Rio e nos musicais políticos da época da Ditadura, como Opinião e Brasileiro: Profissão Esperança, o autor faz um passeio por textos e músicas que fazem da Rua um espaço privilegiado e ambíguo, de vida e morte. É uma crônica musical sobre a subalternidade que consagração do Beco da OFF, como o espaço da diversidade.

TEXTO E DIREÇÃO: Djalma Thürler ATORES Duda Woyda e Flávio Valécio
Dia 18 de outubro(quinta feira) ás 21h no Beco da Off.

PONTO DE ENCONTRO:
Para a V Edição, o ponto de encontro da Mostra Possíveis Sexualidades será no Visca Sabor e Arte de 19 a 21 de outubro (sexta a domingo).

O Visca Sabor & Arte é o mais novo centro cultural de Salvador, na Bahia. Localizado no bairro culturalmente mais movimentado da cidade, o Rio Vermelho, o Visca abriu suas portas em dezembro de 2011 com uma proposta singular – oferecer aos amantes da cultura um espaço charmoso e aconchegante que reúne gastronomia e as mais diversas manifestações artísticas.

O Visca fica localizado na Rua Guedes Cabral, 123, Rio Vermelho – Salvador.

LOCAIS DA MOSTRA:

• Instituto Cervantes: Avda. Sete de Setembro, 2792. Ladeira da Barra
• Conjunto Caixa Cultural: Carlos Gomes, 57 – Dois de Julho
• SALADEARTE Cinema do Museu: Av. Sete de setembro, s/n, Corredor da Vitoria – Museu Geologico

Acompanhe também o Dois Terços pelo Twitter
Curta a página do Dois Terços no Facebook