Comissão julgadora do Prêmio Braskem de Teatro já avalia espetáculos concorrentes em 2016

No Circuito, Teatro
19 de abril de 2016
por Genilson Coutinho

Da esquerda para a direita: Gordo Neto, Kátia Borges, Bertho Filho, Hilda Nascimento e Jackson Costa (Foto: Divulgação)

A comissão julgadora do Prêmio Braskem de Teatro já iniciou os trabalhos de avaliação dos espetáculos em cartaz em Salvador para definir os indicados que concorrerão à 24ª edição da premiação, no próximo ano. Até dezembro de 2016, toda a movimentação na cena teatral baiana passará pelo crivo de cinco renomados profissionais ligados às artes cênicas. Integram a comissão este ano Bertho Filho, ator, diretor teatral e dramaturgo; Gordo Neto, ator, diretor teatral e autor; Hilda Nascimento, diretora teatral, preparadora corporal e educadora; Jackson Costa, ator e apresentador e Kátia Borges, jornalista e doutoranda em Literatura e Cultura pela Universidade Federal da Bahia (UFBA).

“Um prêmio dessa magnitude dá o devido destaque para essa arte milenar tão importante para a sociedade, que é o teatro. O Prêmio Braskem de Teatro há 24 anos vem acendendo essa luz sobre os palcos da Bahia, conseguindo despertar governo e sociedade para reconhecer e valorizar esse patrimônio imaterial que é a arte teatral”, afirma Jackson Costa. Segundo o ator e apresentador, fazer parte da Comissão Julgadora será uma oportunidade enriquecedora para conhecer melhor a produção teatral baiana. “Aprender mais com a diversidade de ideias, de estéticas, de estilos de interpretação e encenação. Ver as infinitas possibilidades criativas que o teatro tem, para superar as carências e os desafios de todas as naturezas”, explica Costa.

A relevância da premiação também é ressaltada por Bertho Filho. “Nós, artistas, reconhecemos a importância deste prêmio que promove e impulsiona a arte e a cultura do nosso estado. Na comissão vamos discutir o fazer teatral com a generosidade e com a seriedade que ele merece”, garante Bertho. Para outro integrante da comissão, Gordo Neto, o Prêmio Braskem é uma premiação já “consolidada, sobretudo, por incentivar a produção local na sua profissionalização, pesquisa e heterogeneidade”, explica ator, diretor teatral e autor.

Essa é primeira vez que os cinco profissionais irão participar da Comissão Julgadora do Prêmio Braskem de Teatro, que em 2017 chega a sua 24ª edição. “Acompanho essa premiação há muitos anos e sei da seriedade que sempre pautou as suas escolhas e, principalmente, pela representatividade para a classe artística. É um prêmio que se pauta pela relação saudável com o meio, uma verdadeira festa do teatro. Isso me deixa especialmente feliz em estar nessa comissão”, destaca Kátia Borges.

A expectativa também é grande por parte de Hilda Nascimento, que se sente desafiada na nova função. “Espero que possamos construir uma comissão que potencialize e some todos os olhares, sempre focados no benefício que este trabalho possa gerar para as produções que estejam envolvidas com o prêmio”, comenta. A supervisão da comissão julgadora deste ano está a cargo de Vadinha Moura, atriz, diretora, produtora teatral, gestora cultural e arte educadora. Outras informações podem ser obtidas pelo e-mail coordenacao@premiobraskemdeteatro.com.br.

  Bertho Filho

Ator, diretor teatral e dramaturgo, produtor e preparador de atores para teatro e para o cinema. Como ator, trabalhou em filmes como Central do Brasil, de Walter Salles; Tieta, dirigido por Cacá Diegue; Eu me Lembro e O Homem Que Não Dormia, de Edgar Navarro. Na televisão, atuou em séries como Cama De Gato (2010); Força Tarefa (2010); Gabriela (2012), todas na Rede Globo. Como diretor, realizou as peças Noite, de Harold Pinter; O Balcão, de Jean Genet; Navalha Na Carne, de Plínio Marcos; Os Rapazes Estão Chegando, de Vieira Neto; Balela; O Mala Nada na Lama; Câncer – as três últimas com texto de sua autoria. Como professor de teatro, acumula experiências na Escola de Teatro da UFBA, Escola de Teatro do Centro Universitário Cultura e Arte/UEFS, Espaço Cultural Yumara Rodrigues, Projeto Agente Jovem/UCSAL, Projeto de intercâmbio lusófono K-CENA, Universidade Livre de Teatro Vila Velha, entre outros.

Gordo Neto

Ator, diretor e autor, atuou em cerca de 20 espetáculos e dirigiu outros 7. Destaca-se como ator em “A Memória Ferida”, indicado como Melhor Ator Coadjuvante pelo Prêmio Braskem de Teatro, além de “O Segredo da Arca de Trancoso” e “O Castelo da Torre”, ambos do Grupo Vilavox, do qual é co-fundador. Como diretor, “Primeiro de Abril (2004) e “Dissidente” (2012), contemplado como Melhor Diretor pelo Prêmio Braskem de Teatro.

   Hilda Nascimento

Sua formação transita entre a Pedagogia, o estudo de Música, Teatro e Biodança. Nesta última, formou-se como Facilitadora Didata pela International Biocentric Foundation (Chile) e especializou-se em Clínica e Medos Humanos. Trabalhou 32 anos em instituições educacionais em Salvador. Período em que dirigiu mais de 30 espetáculos com estudantes, priorizando o desenvolvimento de identidades e formação de caráter através da linguagem teatral. A mescla entre o Teatro e a Biodança abriu espaços para a compreensão do corpo como uma totalidade, o que esteve a serviço dos espetáculos Pólvora e Poesia (2010), Alugo Minha Língua (2011) e Cartografia do Abismo (2013), preparando o corpo sistêmico dos atores. Atualmente é sócia do Biocentrum – Saúde, Arte e Vida, onde facilita grupos regulares de Biodança para adultos e Biodança e Biodança e Teatro para adolescentes.

Jackson Costa

Ingressou no teatro aos 16 anos, em Itabuna (BA), e, aos 22 anos, mudou-se para Salvador com o intuito de fazer a faculdade de teatro na Universidade Federal da Bahia. Jackson trabalhou em minisséries e novelas como Pedra sobre Pedra, Renascer, Tocaia Grande, Duas Caras, Paraíso, Gabriela e A Pedra do Reino, da Rede Globo. Já interpretou no teatro o personagem “Deus”, na peça Vixe, Maria! Deus e o Diabo na Bahia!, dirigida por Fernando Guerreiro e “Jesus”, na encenação da Paixão de Cristo,  na Concha Acústica do TCA, em 2011, além de dirigir a peça “Nem Louco nem tão pouco” e o grupo musical “Virado no Mói de Coentro”. Desde 2010 apresenta o programa Aprovado, na TV Bahia. Em seus projetos, Jackson Costa também pretende lançar um CD, no qual interpreta poesias de Castro Alves, Gregório de Matos e outros poetas.

 Katia Borges

Jornalista formada pela Faculdade de Comunicação da Universidade Federal da Bahia (Facom/UFBA), mestre e doutoranda em literatura e cultura, também pela UFBA é editora-coordenadora da revista semanal Muito, do jornal A Tarde, escritora, com cinco livros publicados e participação em diversas antologias, no Brasil, na Alemanha, nos Estados Unidos e na Bélgica. Já fiz músicas também, em parcerias com Bira Paim, Tito Bahiense e outros músicos, além de roteiros para vídeos e cinema e, ao menos, um monólogo teatral, O Escorpião Amarelo, que integrou o espetáculo Batata!. do grupo Dimenti.