Colunista analisa universo do filme Madame Satã

Notícias
12 de agosto de 2013
por George Araújo

Dessa vez, vou falar sobre Madama Satã – o filme que revelou Lázaro Ramos para o cenário nacional e conta a história real de um homossexual pobre, negro e transformista no subúrbio carioca na década de 30. Um belo filme com atuações impecáveis e uma história que merece ser conhecida.

“Eu sou bicha porque eu quero e não deixo de ser homem por causa disso” – Madame Satã

Lázaro Ramos é João Francisco dos Santos – Madame Satã. Com uma atuação incrível e super natural, eu não poderia deixar de começar a escrever sobre esse filme sem falar sobre o talento desse magnífico ator baiano. Sua atuação é simplesmente impecável! Vejam e me digam se discordam.

O filme é do diretor Karim Aïnouz e, quando apresentado no Festival de Cannes em 2002, chocou muitos críticos, que inclusive, saíram da sala de exibição. Madama Satã tem uma linda fotografia e uma plasticidade genial, onde as cenas de sexo são belamente exploradas. Os movimentos rápidos e precisos de câmera nos passam a quantidade de energia (agonia/felicidade) necessária de cada personagem.

Veja também:

“Contracorrente”: Toda forma de amor é possível

Pobre, negro, gay e ex-presidiário, João Francisco é o ‘chefe’ rigoroso e rude de uma ‘família’ carioca negligenciada que tem Tabu, também lindamente interpretado por Flávio Bauraqui e a prostituta Laurita (Marcélia Cartaxo) e sua filha. O boêmio bairro da Lapa no Rio de Janeiro faz parte de todo o contexto. Sujos e escuros, os becos e vielas fazem parte do drama dos personagens que, apesar de se divertirem, sonham com uma vida melhor; em fazer parte da ‘sociedade carioca’, mesmo cheia de preconceitos ou em simplesmente poder ir ao cinema.

Contando a história de um personagem real acontecida entre as décadas de 30 e 40, o filme nos mostra um João Francisco querendo viver das histórias de Sherazade e da princesa Janaci, mas que não suporta ser injustiçado – transformando o que a polícia chama de malandro em um herói resistente buscando a (sua) justiça a qualquer custo.


por George Araújo

Apaixonado por cinema, trabalha na área de marketing, criação gráfica, mídias sociais e é idealizador do BlogayrosCamp. twitter: @geoaraujos

Publicitário e Pós graduando em Marketing e Branding pela Unifacs.