Clubes gays lotados provam que Salvador tem público para todos

Sem categoria
16 de julho de 2012
por Genilson Coutinho

 

San Sebastian

Há um mito de que a cena gay em Salvador ganha corpo e que só existem novos clientes apenas na alta temporada e nos períodos da parada gay da cidade. Para alegria dos donos de clubes voltados para o público LGBT, porém, essa afirmação é coisa do passado. Foi o que pode ser constatado pela nossa equipe, que fez um Tour pelas principais casas gays de Salvador, diante da quantidade de gente louca para cair na noite, com opções de festas e atrações nacionais e internacionais, tem de tudo para todos os gostos, do Pop ao Techno até ao nascer do dia.

Prova desse crescimento pôde ser visto no último sábado nas grandes filas que se formavam nas ruas e entradas das principais casas voltadas para o público gay. Cada uma preparou sua programação que garantiu casas lotadas e o fervor na cidade.

Off Club

Para descobrir como anda as baladas gays na cidade, saímos em uma verdadeira turnê no último sábado 14. O ponto de partida foi o clube San Sebastian no rio vermelho, a casa montou uma megaestrutura para celebrar o primeiro ano de sucesso do Red Card, cartão da casa que oferece um monte de facilidades e descontos em empresas parceiras, além de lançar oficialmente a programação da comemoração dos 3 anos do empreendimento que ocorrerá em setembro. A casa já estava lotada, nos dois andares, por volta 1h da madrugada, e uma longa fila se estendia até quase próxima ao Largo da Dinha formada por gente animada e ansiosa para se jogar na pista da casa na tradicional festa de sábado, a blessed.

Seguindo o percurso, pegamos a orla com destino a barra mas precisamente na Off Club, um dos clubes mais antigo da cidade, que vem a hum ano sobre novo momento e direção. A Off trouxe o top internacional DJ Aron para sua festa WFT. O Dj não deixou ninguém parado em mais uma edição da festa. A pista lotou causando engarrafamento e a galera cantava em coro com o som pop do israelense que transbordava uma energia maravilhosa. A animação da galera era visível e todos “rezavam” para a festa não acabar e mantinham a mesma energia do início da noite.

Tropical,

Saindo do circuito da brisa do mar, seguirmos para o Centro, em especial na Rua Gamboa de cima, número 24, endereço da Boate Tropical, tradicional club gay de Salvador que já passou por várias fases e nomes, famosa pelo seus shows de tranformismo, recebia no palco do Teatro Carmem Miranda, a Rose Cohen, couver oficial da cantora Rihanna. Uma grande platéia esperava ansiosamente a entrada da estrela, alguns sentados no chão por conta da lotação do teatro. Enquanto isso, a pista na parte de baixo da casa pegava fogo, sem falar no clima da paquera que corria solto entre uma música e outra de um set bastante convidativo, mais pop, sem hora para acabar.

Por volta das 4h da madrugada, resolvemos respirar na saída da Tropical até passar a chuva fina que caia e, pasmem, ainda tinha gente chegando para aproveitar o fim da noite (ou início do dia). Após essa maratona o que fica é uma grata supresa é que há espaço para todas as casas e públicos pronto para escolher o melhor espaço para se divertir e ser bem recebido, quebrando definitivamente o mito citado no início do inicio da matéria.

Com ou sem grandes atrações, todas estão conquistando seu espaço contribuindo para o fortalecimento da cena gay na cidade independente de carnaval, Parada e datas especiais. Com público e estilos variados, estão fazendo a diferença no quesito fervor de qualidade e respeito ao gosto dos seus clientes.

Então, vamos badalar!

Por Genilson Coutinho