Clara e Marina sofrem ataque homofóbico: ‘Sapatão não é bem-vindo aqui’

Comportamento, Social
25 de junho de 2014
por Genilson Coutinho

O início do relacionamento entre Clara (Giovanna Antonelli) e Marina (Tainá Muller) não será nada fácil. Nos próximos capítulos da novela “Em Família”, as duas sofrerão um ataque homofóbico ao sairem para jantar.

De acordo com o blog de Patrícia Kogut, tudo começará quando Clara resolver ir a um bar elegante para tomar um café. Ela chega sozinha ao local e o garçom se aproxima com uma taça de champanhe, informando que foi oferecida por um desconhecido. Neste momento, Marina chegará e fará carinho na namorada.

10468375_930264363666199_7406074665510779903_n

– Uau! Tomando champanhe? Vou pedir uma taça pra te acompanhar – dirá Marina.

– Espera. Não pedi nada. Foi o cara sem noção da mesa em frente que me mandou de presente…

Marina ri da situação, mas o cliente que ofereceu a taça fica possesso.

— Vim dizer que cometi um equívoco… Já saquei qual a é a de vocês duas.

– Não estou entendendo – dirá Marina.

Em tom de deboche, o desconhecido alfinetará o casal:

– É você o homem da relação? Chegou pra defender a mocinha indefesa?

– Melhor você voltar para sua mesa, antes que eu chame o gerente! – dirá Clara, com raiva

– Quem vai chamar o gerente aqui sou eu! Vou fazer uma queixa oficial! Esse lugar não é gay! Não pode ser frequentado por qualquer pessoa! Sapatão não é bem-vinda aqui!

Clara não se segura e xingará o homem de idiota. Em seguida, a filha de Chica (Natália do Valle) jogará a taça de champanhe na cara dele. Assustada, Marina pedirá calma, mas a confusão estará armada.

– Quem esse imbecil pensa que é pra falar assim? Covarde! Preconceituoso! – gritará Clara.

– Calma, Clara! Não vale a pena perder a cabeça! – pedirá Marina.

Mais tarde, Clara fará um desabafo com a parceira:

– Estou inconformada! Como é que uma pessoa se julga no direito de falar sobre as escolhas do outro dessa forma? Como se fosse superior? Sentiu a raiva dele? Falou como se nossa opção sexual fosse um defeito!

– É exatamente o que ele acha – dirá Marina. –  Mas você não pode se descontrolar assim. Não vê a quantidade de crimes que acontecem por aí todos os dias? São loucos como esse que agridem gays, propagam a homofobia… Parecem muito gentis, mas são bem perigosos.

— Me subiu um ódio! Queria voar no pescoço do desgraçado! Nunca senti isso na vida…

– Já passei por situações piores (…) Entendi que não é xingando que vou conseguir lutar pelos meus direitos. Vamos esquecer isso. Ele deve ter ficado com inveja da nossa felicidade.

— Ainda bem que tenho você. Nunca soube manter a calma em situações de intolerância. Fico nervosa, indignada. Agora que é comigo então…

— Você vai aprender a agir da melhor forma. Estamos juntas nessa…

*As informações são do site Correio 24h.