Cinema Negro : Documentaristas pesquisam sons dos quilombos

Cinema, No Circuito
12 de setembro de 2017
por Genilson Coutinho

05_DOC_AIUE_COLETIVO CACOS_Donminique com a quilombola Dona Senhora de 105 anos

Com o intuito de colaborar para a preservação da memória sonora de comunidades quilombolas, quatros jovens documentaristas baianos estão produzindo filme sobre os sons dos quilombos.

Realizado pelo Coletivo Cacos, o documentário “AIUÊ: Escutando o som dos quilombos” já está sendo rodado desde agosto. A equipe é formada por cineastas negros baianos: Donminique Azevedo (documentarista, jornalista e educadora), Danilo Umbelino (cineasta e diretor de fotografia), Leo Rocha (musicista e cineasta),  e Uiran Paranhos (cineasta e técnico de som direto).

“Trata-se de uma experiência imersiva para revelar as mais diversas expressões sonoras e musicais presentes em comunidades remanescentes de quilombos. Nasce justamente do desejo de saber mais sobre minhas origens, uma vez que minha descendência paterna é quilombola. Como militante na luta antirracista, acredito que o documentário é uma oportunidade a mais para fazermos disputa de narrativas”, explica Donminique Azevedo, idealizadora da iniciativa.

Para o coautor do Projeto Leo Rocha, o diferencial da proposta é poder apresentar os sons cotidianos como um vetor de tradições culturais. “Estamos ouvindo do som ambiente àquilo que cada quilombola tem a dizer, amplificando a pluralidade de vozes. Assim, escutando o maior patrimônio de um povo: o próprio povo e suas histórias”, revela Rocha.

O PROJETO

Em Kimbundo (língua da família banta), “AUIÊ” é também uma expressão de espanto, alegria, festa. Assim, o Projeto visa apresentar, por meio de uma – abordagem etnográfica, linguística e musicológica – expressões sonoras quilombolas. Neste sentindo, busca estabelecer diálogos culturais com comunidades remanescentes, a fim de apresentar – por meio da linguagem audiovisual – os sons e sonoridades presentes nesses espaços.

A primeira fase do Projeto – que resultará em um filme gravado com quilombos de Salvador e Região Metropolitana – estreará em novembro deste ano, com o apoio da Fundação Gregório de Matos, por meio do edital Arte Todo dia – Edição 2017.

Futuramente, o Projeto abrangerá comunidades quilombolas de outras regiões do País.