No Circuito

Teatro

Cia Municipal de Dança de Porto Alegre apresenta quatro coreografias em Salvador

Genilson Coutinho,
25/10/2016 | 15h10

Foto: Tadeu Vilani / Agencia RBS

Pela primeira vez em Salvador, a Cia Municipal de Dança de Porto Alegre apresentará a montagem Adágio, composta por quatro obras que são constituídas de saberes que encontrados no cotidiano. Com patrocínio do programa “O Boticário na Dança”, as coreografias Scanner, Ilação, Narciso e Água Viva serão encenadas no Teatro Vila Velha, nos dias 1º e 2 de novembro, e têm origem nas diversas expressões culturais dos intérpretes. A entrada é gratuita e o público poderá oferecer contribuição espontânea. Além da montagem, a companhia traz a Salvador duas oficinas para dançarinos e um bate-papo em que convidam o público a refletir sobre o trabalho de uma companhia pública de dança.

 ADÁGIO – Adágio no vocabulário musical indica uma obra com movimento mais vagaroso, mas também é sinônimo de “ditado”, uma forma de sabedoria popular. O programa de apresentações estreou no final do ano de 2015 e traduz a versatilidade da Cia, formada por intérpretes com experiências em diversas linguagens de dança, do balé ao contemporâneo, das danças urbanas às danças populares.

 A palavra “escanear” remete ao “ato de converter uma imagem para a forma digital, examinando cada linha do quadro”, e por isso o estudo coreográfico deScanner partiu do conceito de como varremos com o olhar o mundo, cada linha, cada movimento, cada gesto para questionar: Mas afinal, de tudo o que visualizamos, o que permanece e como permanece em nós? Já Ilaçãovisa subverter qualquer conclusão imediata que se possa inferir em relação ao corpo que se apresenta, partindo de uma matriz coreográfica forjada no universo das danças urbanas para promover um diálogo entre polaridades como popular e erudito, oriente e ocidente, velocidade e lentidão, força e delicadeza.

 O processo coreográfico de Narciso foi perpassado pelo reconhecimento de hábitos criativos e pela busca de alternativas e soluções que poderiam gerar tanto a afirmação de uma identidade artística, quanto apontar a direção da instabilidade. Estando postos as certezas e os riscos, Narciso é o reflexo do momento artístico de ambos, criador e intérpretes, juntos numa jornada de construção e compartilhamento de subjetividades. Água Vivabaseia-se no livro homônimo de Clarice Lispector, no qual a vida é aclamada, reprimida, amaldiçoada e então expandida. A analogia entre a vida e a água, o ritmo do fluxo de consciência, característico da obra de Clarice, está impressa nos movimentos dos corpos dançantes, colocando todos em uma imersão criativa e de movimentação.

 ATIVIDADES – Durante a temporada em Salvador, a Cia. Municipal de Dança de Porto Alegre realiza mais três atividades gratuitas também no Teatro Vila Velha: duas oficinas e um bate-papo. Depois das apresentações de Adágio, os artistas permanecem no palco do Vila para conversar com o público sobre o trabalho de uma companhia pública de dança.

 Na Oficina de Dança Contemporânea, a coreógrafa, bailarina e atriz Letícia Paranhos aborda métodos de improvisação através de mecanismos teatrais e preparação física voltada para o uso da força. Já o coreógrafo, bailarino e professor Driko Oliveira oferece a Oficina de Danças Urbanas com foco em House Dance e ênfase no estudo do tempo musical e movimentação.

 A COMPANHIA – A Cia Municipal de Dança de Porto Alegre é uma iniciativa que se tornou possível graças à parceria das Secretarias da Cultura e da Educação de Porto Alegre para afirmação e valorização da arte da dança, de seus artistas e talentos. Arte, Educação e Cidadania bailando juntas.