Chef realiza palestra sobre a comida feita na Bahia

Gastronomia, No Circuito
30 de novembro de 2016
por Genilson Coutinho

O Centro de Documentação e Memória (Cedom) do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (IPAC), no Pelourinho realiza nesta quarta-feira (30) a palestra sobre “Comida: Corpo Social Identitário”. Proferida pelo pesquisador e chef Alicio Charot, a palestra vai tratar sobre a importância da comida feita na Bahia e sobre Manoel Querino (1851—1923), que para o chef, além de líder abolicionista, era “pintor, antropólogo, jornalista e historiador. Manuel Querino foi a primeira pessoa que pesquisou, sistematizou e divulgou a cozinha baiana como elemento de construção da identidade nacional”, explica.

Alicio Charot vem se dedicando a trabalhos focados na área de gastronomia como veículo de inserção social, e também, à pesquisa da culinária baiana. Uma das suas especialidades é o ‘Paterê’ (tiras de frango, manga verde, verduras e gengibre). Segundo ele, todas as pessoas que trabalham, estudam e ensinam gastronomia na Bahia, deveriam conhecer o trabalho de Querino.

O mestre lançou vários títulos ainda vivo. O único livro post-mortem foi justamente o título ‘A arte culinária na Bahia’, de 1928, considerado uma joia inaugural da bibliografia sobre as iguarias baianas, que incluem influências europeias, indígenas e africanas.

“Também falarei sobre gastronomia afro-baiana contemporânea e seu diálogo com a culinária orgânica”, disse o chef, que é formado em Cozinha pelo Senac Águas de São Pedro, São Paulo (1984). Com mais de 30 anos de experiência e uma cozinha autoral, Alicio faz parte de geração que valoriza a cultura brasileira, trazendo o elemento identitário para a culinária.

SERVIÇO
Palestra ‘Comida: Corpo Social Identitário’, pelo chef e pesquisador Alicio Charot
Local: Centro de Documentação e Memória do IPAC, Rua Gregório de Mattos, 29, Pelourinho
Data: Dia 30 de Novembro de 2016
Horário: 14h