AIDS em pauta

  • Agência aprova Anel vaginal contra HIV para prevenção em mulheres

    A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) emitiu um comunicado a respeito do risco-benefício do uso do anel vaginal que contém a medicação anti-HIV dapivirina. O anel é a primeira opção de prevenção do HIV projetada especificamente para mulheres desde que o preservativo feminino foi aprovado há quase 30 anos. A opinião positiva da EMA deve veja o post completo…

  • Quem são as pessoas sob maior risco de se infectar com sífilis no Brasil?

    Viva Bem (UOL) A PrEP (Profilaxia Pré-Exposição) é uma forma de prevenção moderna, potente e segura, que revolucionou a prevenção das ISTs (infecções sexualmente transmissíveis) na última década. No entanto, seu uso garante proteção somente contra a infecção por HIV. Por muitos anos, o uso da PrEP foi alvo de críticas por causa da sua veja o post completo…

  • Fiocruz coordena estudo pioneiro na Profilaxia Pré-Exposição ao HIV

    O estudo clínico internacional HPTN 083 comprovou que a Profilaxia Pré-Exposição ao HIV (PrEP) contendo Cabotegravir injetável de ação prolongada (CAB-LA) utilizado a cada oito semanas obteve eficácia superior ao Truvada na Prevenção da infecção pelo vírus. “Esta é uma conquista sem precedentes para o campo da prevenção do HIV. A PrEP com CAB-LA é veja o post completo…

  • PrEP sob demanda é altamente eficaz, mas causa confusão entre usuários, aponta pesquisa

    Educar os clientes em uma clínica de saúde sexual de São Francisco sobre profilaxia pré-exposição sob demanda (PrEP) aumentou o desejo de usar o método intermitente de prevenção do HIV, relataram pesquisadores esta semana na 23ª Conferência Internacional da Aids (AIDS 2020: Virtual). Entre os 24% de clientes que fizeram isso, a taxa de novas veja o post completo…

  • Paciente está há 17 meses sem vírus HIV após tratamento brasileiro inédito

    Um estudo brasileiro da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), coordenado pelo infectologista Ricardo Sobhie Diaz, conseguiu eliminar o vírus HIV de um paciente que vivia com o vírus há sete anos. O estudo foi feito unicamente com pessoas que estavam com o vírus indetectável — ou seja pessoas que têm a carga viral baixa veja o post completo…