Bruno Fagundes fala sobre beijo gay em “Sense8”: “Receio nenhum”

Notícias
3 de maio de 2017
por Genilson Coutinho

O ator Bruno Fagundes (novela “Meu Pedacinho de Chão”) fez sua estreia internacional numa pequena cena da 2ª temporada da série “Sense8″, que chega ao Netflix na sexta-feira (5/1). Sua aparição é curta, mas marcante. Ele aparece numa sequência rodada em São Paulo, beijando outro homem.

Apesar de beijos gays ainda serem raros – e alguns diriam controversos – na TV brasileira, o filho do veterano Antonio Fagundes (o eterno Rei do Gado) não teve receio em fazer a cena. “Receio nenhum. Como ator, sou uma ferramenta para dar vida a todo e qualquer personagem e, assim, honrá-lo, respeitá-lo e defendê-lo com todo meu empenho e profissionalismo”, ele disse, em entrevista ao UOL.

Enquanto “Sense8” e até produções da TV aberta americana como “How to Get Away with Muder” mostram abertamente beijos e sexo gay, os canais brasileiros ainda se mostram muito conservadores em relação a esse tipo de cena. Na opinião de Bruno, essa diferença de tratamento nos dois países passa pela educação.

“Infelizmente, a educação no nosso país é deficitária – assim como cultura, saúde etc — quando comparada à dos EUA. Portanto, o diálogo sobre questões primordiais para a sociedade fica em segundo plano. Não é só uma questão de machismo ou da sociedade em que estamos inseridos. Nos EUA, desde muito cedo se fala disso, de uma forma bastante aberta e natural. O entretenimento lá absorve e traz às claras um reflexo real e necessário do que é, hoje, o mundo. Infelizmente, por aqui isso se torna alvo de preconceito, ignorância, ódio e tabus”, avalia.

Por isso, ele acha que “Sense8” pode ajudar a quebrar preconceitos. “Acho a série necessária e atribuo o grande sucesso à forma corajosa como as Wachowskis contaram cada uma daquelas histórias, enfrentando tabus de forma audaciosa, com bom gosto e respeito”.

“No final das contas, elas focaram no que é realmente importante: a humanidade, a compreensão e união de cada um daqueles personagens”, continua. “Quando o público entende quem são aquelas pessoas e todas as suas dores, que são praticamente as mesmas para todos nós como seres humanos, a orientação sexual fica quase irrelevante. Precisamos olhar para dentro, para o que realmente importa”.

Criada pelas irmãs Wachowski (diretoras de “O Destino de Júpiter” e da trilogia “Matrix”) em parceria com o roteirista J. Michael Straczynski (“Thor” e série “Babylon 5”), a série acompanha oito pessoas aparentemente aleatórias ao redor do mundo, que passam a dividir consciência, habilidades e memórias repentinamente.

A 1ª temporada mostrou o grupo reconhecendo sua nova realidade e se aproximando, enquanto lidam com os próprios problemas e com uma organização que os persegue. A 2ª temporada teve gravações em vários lugares do mundo, inclusive em São Paulo, durante a Parada de Orgulho LGBT do ano passado.