Bia Mathieu e a cena travesti dos anos 80

Notícias
29 de junho de 2020
por Genilson Coutinho

Se você já viu os filmes “Meu amigo Cláudia” (dir. Dácio Pinheiro, 2009), “São Paulo em Hi Fi” (dir. Lufe Steffen, 2016) e “Divinas Divas” (dir. Leandra Leal, 2016), sabe que a cena artística travesti tem história e memória. Esse universo, cujo marco remonta ao início do século XX, é o pano de fundo da dissertação de mestrado de Bia Mathieu, cujo Exame de qualificação ocorre na próxima quarta-feira.
Mas Bia não para aí, a construção dessa trans-historicização é apenas uma etapa importante de sua pesquisa que quer situar, o que a pesquisadora vem chamando de cena travesti, para além do eixo Cristo-Copan, numa alusão à memória dessas artistas que fica circunscrita aos estados do Rio de Janeiro e São Paulo.
Djalma Thürler, quem orienta Bia Mathieu, diz que “o propósito desse trabalho é, a partir das ideias de Walter Benjamim e Huyssen, o de pensar sobre a memória como instrumento de poder, relacionada à história das nano sociedades, das práticas estéticas da diáspora queer, aquelas que evocam essas historias menores e as tornam visíveis”.
É com base nestas conceituações que esse estudo lança seu olhar sobre a experiência de oito artistas da cena travesti soteropolitana, na intenção de desenvolver uma “política de memória” que, alinhada à luta por direitos humanos, pensa, também, em políticas culturais para a diversidade.
“Operar o conceito de memória em relação à Arte travesti na cidade de Salvador nos anos 80, é falar de uma da narrativa de sobreviventes e, se concordarmos com Mbembe, que a expressão máxima da soberania reside, em grande medida, no poder e na capacidade de ditar quem pode viver e quem deve morrer, podemos afirmar que o que deve ser lembrado ou esquecido, também, integra os mecanismos de controle de um grupo sobre o outro. É importante lembrar também que a memória é um objeto de luta pelo poder entre classes, grupos e indivíduos”, defende Bia Mathieu.
A pesquisa de Bia Mathieu, que se intitula “A emergência da memória em práticas estéticas da diáspora queer: narrativas da Arte travesti na cidade de salvador nos anos 80 e depois” é desenvolvida no Programa de Pós-Graduação Multidisciplinar em Cultura e Sociedade (UFBA) e tem o financiamento da CAPES. A sessão de qualificação ocorrerá de forma remota e poderá ser acompanhada pelo link https://streamyard.com/9kek256uer a partir das 16:00h.
Serviço
Exame de Qualificação de Mestrado
Título: “A emergência da memória em práticas estéticas da diáspora queer: narrativas da Arte travesti na cidade de salvador nos anos 80 e depois”.
Mestranda: Bia Mathieu
Orientador: Djalma Thürler
Examinador Interno: Leandro Colling
Examinador Externo: Paulo César García
Local: https://streamyard.com/9kek256uer
Horário: 16:00h

Deixe seu comentário

Sem comentários, seja o primeiro.