“Bateu, levou”: Em programa do SBT, presidente do GGB defende retaliação do público gay a casos de violência

Comportamento, Social
24 de junho de 2016
por Genilson Coutinho

Foto: Reprodução / SBT

“Se algum LGBT for vítima de violência, preconceito, discriminação e injuria deve revidar na medida do possível e utilizando a legislação”, relatou o presidente do Grupo Gay da Bahia (GGB) Marcelo Cerqueira, que participou do programa Casos de Família que foi ao ar na última  quarta-feira (22).  De acordo com Cerqueira , o objetivo é estimular que a categoria não aceite a opressão.

O tema do programa veiculado pelo Sistema Brasileiro de Televisão (SBT) foi sobre a violência contra os LGBT’s, e usou como ponto de partida o atentado contra a boate “Pulse”, em Orlando, na Florida.

“A lógica é ‘bateu, levou. Olho por olho, dente por dente’”, explicou o presidente em sua rede social, sobre o que teria comentado para a apresentadora Cristina Rocha.

Na postagem, Cerqueira defendeu ainda que a população LGBT deve encontrar meios para dar respostas positivas ao que ele classifica como uma “doença social chamada de homofobia”.

“As pessoas devem ser mais firmes e intolerantes a qualquer tipo de discriminação. Não devem se expor as agressividades e reagir utilizando as leis. Quando o assunto é combater a homofobia, acredito que o diálogo será sempre importante e preferencial, porem se isso não for o bastante, é preciso pensar em outras formas de luta e reação, e isso inclui a represália e retaliação”, completou.

Perguntado se essa atitude de incentivar a retaliação não estaria incentivando outras atitudes radicais, o militante explicou que o público LGBTs tem que “usar as armas disponíveis e fazer uma luta inteligente”.

“Cultura não se muda com leis, mas com cultura e educação. Queremos e exigimos tratamento com dignidade de ambas as partes. Mas se vier com pancada, a regra é revidar com pancada, pois o que não dá e a gente ser sempre vítima”, concluiu.