Band divulga equipe e data de lançamento de novo programa multiplataforma

Serviços
14 de agosto de 2019
por Genilson Coutinho

O programa multiplataforma “Hiperconectados”, da Band Bahia, terá lançamento oficial em 22 de agosto, às 20h, durante uma première exclusiva para cerca de 170 convidados no Cine Imperial, localizado no Shopping Center Lapa, em Salvador.

Artistas, jornalistas, executivos da emissora, produtores e convidados da direção do novo produto são esperados para assistir ao primeiro episódio do programa, uma coprodução do Grupo Bandeirantes com a Agência Criativa.

Em uma estratégia transmídia, a nova atração promete trazer para a TV aqueles elementos com os quais passamos a interagir diariamente nas redes sociais. Interação, aliás, é o que não falta entre o ‘#dreamteam’ de influenciadores selecionados para conduzir todo o programa.

Vindos de várias partes da Bahia e de Sergipe, Camila Quintela, Paty Básica, João Caldas, Nega Lu, Ícaro Almeida, Tami Thaynne, Jeane Passos, Naiara Pena e Nay Dantas representam não só diversas regiões, sotaques, culturas e costumes, como, também, se dedicam a um vasto leque de nichos que já se mostraram sucesso no mundo digital.

Com roteiro de André Cunha e Matheus Pastori, moda, beleza, tecnologia, dicas de estilo, gastronomia, turismo, humor, empreendedorismo, baianidade, diversão e, claro, muito conteúdo sobre o universo das redes sociais é um pouco do que se pode esperar da nova atração multiplataforma.

“Hiperconectados” tem data de estreia prevista para dia 23 de agosto nas redes oficiais da Band Bahia (@bandbahia).

SAIBA MAIS SOBRE O PROGRAMA

Hiperconectados é concebido diante do argumento de que a televisão tornou-se segunda tela. As pesquisas de mercado mostram claramente que a internet já superou em milhões de dólares os índices de lucratividade comercial da TV aberta.

De acordo com a IPG Mediabrands, as despesas de anúncios em plataformas digitais atingiram US $ 209 bilhões em todo o mundo – 41% do mercado – em 2017. Já os investimentos em TV, ficaram na casa dos US $ 178 bilhões – 35% do mercado.

Não acreditamos que a TV esteja prestes a se extinguir, mas sim que é simplesmente impossível ignorar o fato da convergência das plataformas no comportamento do consumidor moderno. A TV impulsiona o que as redes reverberam, e vice-versa.

O conteúdo tornou-se transmídia, impossível de se conter em um só dispositivo, tampouco em uma única só narrativa. Ele foi democratizado, tal qual foi sua produção, distribuição e veiculação.

O Hiperconectados é a materialização desta realidade. Trazemos para a tela da TV aqueles que compreenderam, dominaram e encontraram a sua própria forma de produzir conteúdo relevante, com altas taxas de engajamento, para públicos diversos e sobre temas diversos.

Nesta estratégia de branding e cobranding, o produto já nasce com o prestígio, a popularidade e credibilidade que esses personagens mantêm diariamente com suas audiências.

Faremos o usuário se tornar telespectador. Se antes se ia da TV para o celular, hoje o sentido é justamente o oposto. Trazendo linguagem, rostos, textos, pautas e o espírito livre que é tão característico das redes, o Hiperconectados é um foco de atração e renovação de audiência.

Para a geração Y, os millennials, a geração Z e a recém-chegada geração Alfa, a probabilidade de que sejam influenciados pela redes sociais é de 93% (IBM) quando se trata de uma potencial compra. O consumo de conteúdo não é tão diferente.

De acordo com uma pesquisa realizada pela Google, a quantidade média de horas que o brasileiro passa assistindo à vídeos por streaming semanalmente cresceu 90,1% em três anos. Apenas entre 2014 e 2017, foram 98 milhões de pessoas conectadas no Brasil. Em dois anos, foi como se todo Canadá houvesse aderido a essa modalidade de transmissão.

A geração Y iniciou o consumo no desktop e migrou para o mobile. A geração Z é a primeira 100% nativa, que compreende a tecnologia e sabe que o conceito de internet não está relacionado à um aparelho, mas à conectividade entre inúmeros gadgets.

Diante do surgimento de uma segunda geração que não conseguirá conceber o mundo sem o fator digital, o Hiperconectados está se adiantando ao que já começa a acontecer e que, aparentemente, é um caminho sem volta.