Atriz e roteirista baiana comenta os detalhes do longa “A Culpa é das Estrelas”

Cinema, No Circuito
14 de junho de 2014
por Genilson Coutinho
Shailene Woodley interpreta Esther em A Culpa É das Estrelas

Shailene Woodley interpreta Esther em A Culpa É das Estrelas

Sinceramente, sou uma cinéfila de carteirinha, amo a sétima arte, não só por que escrevo roteiros, sou atriz, mas, bem mais por que sou uma espectadora atenta a cada detalhe, reflexão e mensagens explícitas, implícitas e subliminares que os filmes querem passar. Como sabemos que a arte imita a vida e vice versa, é quase impossível você assistir a alguns filmes e não sair modificada, tocada, altamente inspirada a melhorar em alguns pontos de sua vida. E foi assim que me senti hoje ao assistir o filme “A Culpa é das Estrelas”.

Um filme simples, mas profundo. Com um elenco tão especial, que as palavras foram importantes e tocaram, claro, mas o silêncio e as expressões disseram, muitas vezes, muito mais. Uma história “fictícia”, mas super real, afinal vivenciamos muitas delas em nossas vidas. Talvez não com tanta verdade no amor, mas bem semelhante.

aculpadas

Um roteiro que nos faz pensar o tempo inteiro: como a vida pode ser especial e divertida, mesmo quando estamos vivendo momentos doloridos e inconstantes. Como aquele “segundo” que se vive algo intenso e verdadeiro pode ser um eterno infinito e fazer valer por toda uma vida. Como você pode ser especial para alguém, a ponto de mudar a sua história, sua vida para melhor, mesmo quando se está vivendo o pior. Como o otimismo, a fé e a crença no melhor, mesmo sabendo do caminho rumo ao “pior” é importante para que sigamos até ele sem maiores pesos e tormentas. Que as relações podem ser mais que essas “futilidades” e efemeridades que nos sujeitamos viver, que ela pode ser leve, divertida, verdadeira e salutar quando a tratamos com verdade, respeito e lealdade. Que a dor para ser amenizada precisa ser sentida, pois só assim você aprenderá a lidar com ela.

Enfim, poderia passar horas e horas relatando tudo que refleti naquelas horas vivenciando a delícia que foi a história que tinha tudo para ser triste, mas que é vivida com tanto amor, intensidade e maturidade que o que fica em nós quando saímos do cinema é a lição maior de vida e não a eminência natural da morte e todo o peso que isso traz.

Além de toda reflexão passada, o filme traz uma trilha sonora maravilhosa, uma direção de arte show, um elenco maravilhoso e o roteiro, nossa, simplesmente sensacional!

Com certeza saí dessa sessão com algo modificado e, mais que isso, reavaliando um pouco mais o que quero para minha vida, minhas relações e todos os “segundos” que desejo transformar em “eternos infinitos” ao lado de quem realmente valha a pena! Afinal de contas, mesmo sem a sentença exata dos dias que findarão, todos vivemos esses dias, pois hoje pode ser o último, independente de qualquer doença.

Escute aqui atrilha Sonora de “A Culpa é das Estrelas”

Angel Marques, atriz, escritora, roteirista e apaixonada por cinema.