Ativistas, gestores e governo dão a largada para novas campanhas de prevenção ao HIV/aids

AIDS em pauta, Comportamento, Social
22 de agosto de 2014
por Genilson Coutinho

camisinha1

Por Diego Calissto

Um Grupo de Trabalho (GT) se reuniu em Brasília com Fábio Mesquita, diretor do Departamento de DST/Aids e Hepatites Virais, para começar a pensar nas campanhas do Dia Mundial da Luta Contra a Aids 2014 e do Carnaval 2015. Diego Calissto participou representando a Rede Nacional de Adolescentes e Jovens Vivendo com HIV/Aids e também o Fórum Consultivo de Juventude do Unaids e do Pacto Global para o Pós-2015. Ele escreveu sobre a reunião o texto que publicamos a seguir:

Prevenir, testar e tratar numa linha tênue de causa e consequência

Na terça-feira (19), aconteceu em Brasília, no Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais, do Ministério da Saúde, a reunião do GT (Grupo de Trabalho), consultivo, de Comunicação sobre o Dia Mundial de Luta contra a Aids 2014 e para o Carnaval 2015. Participaram representantes da sociedade civil, comunicadores, governo e gestores.

O objetivo foi pensar e elucidar ideias e estratégias pertinentes ao cenário atual de enfrentamento da aids econtemplar parâmetros e objetivos mais amplos, como a meta regional para a América Latina estipulada pelo Programa Conjunto das Nações Unidas Sobre HIV/Aids (Unaids) , pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pelo Grupo de Cooperação Técnica Horizontal e Sociedade civil. Essa meta é chamada 90/90/90 até 2020.

O diretor do Departamento, Fábio Mesquita, ressaltou, na abertura da reunião, a importância de nos consultar para a construção da campanha e, sobretudo, de poder escutar as pessoas que são ou trabalham com as chamadas populações-chave, isto é, comunidades com risco acrescido e maior prevalência em relação ao HIV. Embora lideranças do movimento LGBT que foram convidadas não estiveram presentes, pelo fato de terem perdido o vôo até Brasília, segundo justificativa fornecida as pessoas que estavam a frente da organização do GT.

Fábio disse ainda que a epidemia no Brasil é concentrada e é preciso trabalhar junto das populações mais afetadas para criar estratégias que acessem esse público, principalmente os jovens. Destacou que a nova geração não viveu as ondas da epidemia nas décadas de 80 e 90 e, por isso, está banalizando a aids e os insumos de prevenção, encarando a doença como tratável e sem consequências decisivas e importantes em suas vidas.

Outro aspecto importante da reunião foi com relação aos objetivos da nova campanha, a ser lançada no próximo 1º de Dezembro, que envolvem o testar e tratar e a adesão precoce ao tratamento. Ou seja, o mesmo protocolo lançado no Dia Mundial de Luta Contra a Aids do ano passado, que recomenda o uso dos antirretrovirais no ato do diagnóstico, independentemente da contagem de CD4 e da carga viral. Também adota a ampliação da testagem, por meio do programa Viva Melhor Sabendo, dirigido às populações-chave.

Além disso, a nova campanha tem como objetivo reduzir a mortalidade e a morbidade e prevenir a transmissão do HIV, levando em conta que a finalidade do tratamento é deixar a carga viral suprimida, segundo estudos, em pessoas com carga viral indetectável, a transmissão do HIV, por meio de relações sexuais, cai em até 96% .

Ainda com relação à nova ampanha, ela vem também alinhavada à meta regional para a América Latina, a meta 90/90/90, que tem por finalidade alcançar um total de 90% das pessoas testadas, 90% das pessoas tratadas e 90% das pessoas com carga viral suprimida – daí o tratamento ser reforçado como uma ferramenta também de prevenção do HIV.

Como foco da campanha que será divulgada no próximo 1º de Dezembro , definiu-se a população jovem, de 15 a 24 anos, que contempla também as populações-chave , como pessoas trans, jovens gays e homens que fazem sexo com homens (HSH), trabalhadores sexuais, carcerários e usuários de drogas injetáveis.

Porém, outras ações, mecanismos e estratégias serão desenvolvidos para acessar diferentes públicos na próxima campanha, tanto do ponto de vista do aspecto geral da população, em todas as faixas etárias, quanto estratégias lincadas à campanha do Dia Mundial.

A nova campanha terá de contemplar, também, outros cenários como o dos profissionais da saúde, da falta de manejo adequado nos serviços e da incidência da aids na terceira idade, que culmina diretamente no aumento do número de óbitos por aids. Além disso, foi consenso que as ações de prevenção e de visibilidade em relação à aids devem ser trabalhadas não só nesses dois calendários, mas durante o ano todo, encadeadas à linha de abordagem da campanha do Dia Mundial.

O GT foi muito plural e rico de opiniões e informações e permitiu às pessoas envolvidas na construção da campanha ter um parâmetro do ponto de vista das questões envolvendo camisinha e seu discurso, cardápio de prevenção e profilaxias disponíveis, questões ligadas a comportamento, gestão de risco, educação sexual e, principalmente, como e onde explorar as tecnologias de informação e comunicação (TICs).

Diego Calissto, ativista e colaborador/observador