Música

No Circuito

Após 8 anos longe dos Mascarados, Margareth Menezes recebe homenagem do bloco em frente à CASA SKOL

Genilson Coutinho,
09/02/2018 | 15h02

Comemorando 30 anos de carreira no Carnaval de Salvador, Margareth Menezes só tem motivos para celebrar. A baiana, ícone da axé músic, foi a primeira atração a se apresentar na Varanda Redonda da CASA SKOL durante o primeiro dia oficial da folia momesca e levantou o público interno e externo do primeiro camarote aberto ao público do Carnaval de Salvador.

A noite foi marcada pela emoção e respeito. Longe dos Mascarados há 8 anos, a cantora, que liderou o bloco por 10, recebeu uma homenagem do bloco Mascarados, puxado pela banda de mesmo nome que neste ano trouxe como convidados a cantora Sandra de Sá e Liniker. “Foram 10 anos à frente dos Mascarados, um momento que realmente marca, mas chega a hora de dar espaço para outras vozes, outros talentos que surgiram na música baiana e brasileira”, declarou a cantora.

Em frente à CASA SKOL, a banda deu início a homenagem com um clássico da MPB que representa a história do bloco, “Noite dos Mascarados. Logo em seguida, a pedido do público, “Dandalunda” deu o tom a homenagem seguida pela cantora que foi a atração da primeira noite da CASA SKOL.

Palco democrático une o camarote ao bloco

Se na área de fora do camarote, os foliões exibiam diversas fantasias, deixando o Bloco dos Mascarados ainda mais bonito, dentro da Casa Skol não era diferente, o público investiu na criatividade e na irreverência, repetindo a fórmula de sucesso do bloco. Elo entre a parte interna e externa, Margareth com um repertório recheado de sucessos, estendeu a noite do folião no circuito Dodô (Barra-Ondina). Dos dois lados, o público não dava sinal de cansaço, dançando todas as músicas cantadas pela baiana.

 

Se apresentando pela primeira vez em 2018 no circuito da folia, a cantora declarou a alegria de poder estar cantando para o folião pipoca de uma forma diferenciada que só a cerveja SKOL oferece neste Carnaval. “É um espaço democrático e inclusivo. Eu canto para o pessoal aqui dentro e para o público lá fora e a energia é a mesma. É uma satisfação imensa cantar aqui e poder fazer parte desse projeto”, disse Margareth.