Apae Salvador tem programação especial pelo Dia da Síndrome de Down

Serviços
19 de março de 2019
por Genilson Coutinho


Para marcar a semana em que se comemora o Dia da Síndrome de Down, 21 de março, a Apae Salvador realiza uma programação especial em conjunto com alguns parceiros. Hoje, dia 19, cinco jovens assistido pela instituição farão fotos no Parque da Cidade para a próxima campanha da marca Soul Dila. Além da inclusão, a ação visa promover a autoestima dessas pessoas. Já no dia 21, haverá uma sessão especial na Câmara de Vereadores, na qual os direitos das pessoas com deficiência serão lembrados e discutidos, com foco na Lei Brasileira de Inclusão. Às 13h, os alunos da Apae participarão de uma sessão exclusiva de cinema no CineMobi, através de uma parceria com o shopping Center Lapa. E no domingo, dia 24, três jovens assistidos pela entidade vão entrar com os jogadores do Bahia, na Arena Fonte Nova, no jogo pela Copa do Nordeste.

 Um legado do tamanho do nosso amor

Aumento da longevidade, melhoria da qualidade de vida, inserção escolar, inserção no mercado de trabalho, socialização, inclusão e respeito aos seus direitos são algumas das conquistas alcançadas pela Apae Salvador, que completou 50 anos de atuação trazendo como grande legado a transformação da vida das pessoas com Down e outras síndromes.

“Lá eu desenho, danço, toco teclado, jogo bingo e vou até aprender inglês”, declara Eliana Rego, que hoje com 60 anos voltou a frequentar a Apae Salvador semanalmente. Ela tem Síndrome de Down e começou a ser assistida pela Apae em 1971. Leva uma vida ativa, em casa ela cozinha, lava os pratos e ajuda a cuidar dos nove gatos e dois cachorros da sua irmã. Agora, a agenda de Eliana está ainda mais cheia com as atividades que realiza na Associação. “Ela fica ansiosa pelo próximo encontro, pensando como serão as atividades, e quando chega em casa quer contar para todos o que fez lá”, relata a irmã, Rita Rego.

Avanços e aumento da expectativa de vida

Na década de 1960, quando surgiu a associação, era comum a morte das pessoas com Down ainda na tenra infância. Até à década de 1980, essas pessoas tinham sobrevida de 20, 30 anos. Hoje, a expectativa de vida é de 60, 70 anos. “Este dado talvez seja um dos mais expressivos desta conquista alcançada pela Apae e de seus profissionais nas últimas décadas. Viabilizar uma vida mais longa e plena para estas pessoas”, disse a médica geneticista Helena Pimentel, há 20 anos atuando na instituição.

Com o fortalecimento das Apaes por todo o país – hoje são mais de duas mil no Brasil – os estudos médicos sobre a síndrome, sua origem e consequências, foram aprofundadas. As pessoas com Down ganharam voz, começaram a socializar e a passar por um processo forte de inclusão. O aumento da expectativa de vida veio com o conhecimento maior da síndrome e suas comorbidades, como cardiopatia e hipotireoidismo, que hoje são tratadas precocemente e melhoram a qualidade de vida. A estimulação precoce também foi fundamental para esta transformação na vida destas pessoas.

Vale ressaltar que não existe ainda no país uma estatística específica sobre o número de brasileiros com síndrome de Down. Uma estimativa pode ser levantada com base na relação de 1 para cada 700 nascimentos, levando-se em conta toda a população brasileira. Ou seja, segundo esta conta, cerca de 270 mil pessoas no Brasil teriam síndrome de Down. Na Bahia, esse número é estimado em 1 a cada 800 nascidos.

Sobre a Apae Salvador

Hoje, a Apae Salvador contabiliza números transformadores: em cinquenta anos, mais de quatro milhões de pessoas foram atendidas. Atualmente as unidades na capital baiana atendem cerca de mil pessoas por dia, além de serem responsáveis pelo teste do pezinho em todo o estado. Mais de 400 pessoas receberam qualificação profissional e em programas de autonomia para a vida, mais de 700 inseridos no mercado de trabalho e 260 alunos no programa de inclusão escolar. “A parte mais visível deste trabalho é a autonomia para a vida e a inserção no mercado de trabalho de centenas de pessoas, além do processo de inclusão e o respeito ao indivíduo que conquistamos. Realmente é um grande legado, que vai balizar os próximos 50 anos”, disse a geneticista Helena Pimentel.

 

Programação pelo Dia da Síndrome de Down:

 

Dia 19 (terça-feira), a grife Soul Dila fará fotos com alunos da Apae, no Parque da Cidade

Dia 21/03 (quinta-feira) – 9h Sessão especial na Câmara dos Vereadores

Dia 21/03 (quinta-feira) 13h Sessão de Cinema no CineMobi (Center Lapa)

Dia 24/03 (domingo) 17h –  Alunos da Apae entram com jogadores do Bahia