Retrospectiva 2011: Ano de 2011 aponta avanços na política e luta contra a homofobia

Sem categoria
21 de dezembro de 2011
por Genilson Coutinho

O ano LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transexuais) foi marcado por muitas ações sociais e políticas em prol dos direitos à visibilidade e à igualdade em Salvador, além da luta por novos espaços.

No âmbito político, a Câmara dos Vereadores abriu suas portas para o público LGBT através das vereadoras Martas Rodrigues e Vânia Galvão. As duas parlamentares promoveram o Dia da Visibilidade Lésbica, além das sessões de conscientização ao Dia Mundial de Luta contra a AIDS.

Ainda no campo legislativo, aconteceu a entrega dos troféus aos profissionais do transformismo na Bahia no anexo da Câmara dos Vereadores como forma de valorizar e reconhecer o trabalho destes profissionais da arte.

O Grupo Gay da Bahia (GGB) promoveu a tradicional Parada do Orgulho Gay de Salvador com o mesmo clima de descontração e protesto no circuito do Campo Grande, sendo umas das maiores paradas dos últimos anos.

Seminários e encontros fizeram a diferença para o fortalecimento do movimento, a exemplo da 4ª Mostra de Possíveis Sexualidades que movimentou Salvador com uma vasta programação em diversos pontos da cidade onde o público participou de debates e sessões de cinema. Em julho, o I Seminário Enlaçando Sexualidades também mexeu com as esferas acadêmicas e profissionais com palestras, discussões e apresentações de trabalhos.

Os núcleos de estudos da Universidade Federal da Bahia (UFBA) marcaram presença em importantes eventos que trouxeram personalidades e militantes para Salvador com o objetivo de difundir novos conhecimentos. Um desses núcleos que se destacou foi o Grupo de Pesquisa em Cultura e Sexualidade (CuS) da Faculdade de Comunicação, que apresentou alguns trabalhos no Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura (ENECULT). Outro setor que entrou na luta foi o Ministério Público que promoveu o seminário LGBT contra a Homofobia em sua sede em Nazaré.

Os preparativos para a 2ª Conferência Nacional LGBT, que ocorreu na segunda quinzena em Brasília, também foi umas das ações que agitou a capital baiana e o interior durante as conferências estaduais antes da partida para a capital do Brasil.

O protesto também marcou o ano com as manifestações em favor da retirada do Deputado Federal Jair Bolsanaro promovida pelo GGB e pelo Conselho de Psicologia da Bahia, engrossando ainda mais o caldo na luta contra o parlamentar.

Enquanto isso, a sétima arte tomou conta do Beco dos Artistas e da Biblioteca Central dos Barris durante as sessões do Cine Psiqueer que uniu cinema e debates com foco LGBT. Ainda na linha de cinema, foi lançado este ano o curta Joelma do diretor Edson Bastos , que conquistou o prêmio do júri popular na 19ª edição do Festival Mix Brasil 2011. O filme retrata a vida da transexual Joelma Natura de Ipiaú.

A literatura ganhou espaço durante o lançamento do boletim do GGB, financiado pela Secretaria de Justiça e Direitos Humanos da Bahia. O documento trouxe um registro dos crimes contra os homossexuais de 1985 até 2005. A poesia recebeu destaque com o livro homoerótico De amor, Desamor e uma Pitada de Sal do poeta baiano João Figuer. Outro livro importante foi Stonewall 40 + o que no Brasil?, organizado por Leandro Colling, que é o atual presidente da Associação Brasileira de Estudos da Homocultura (ABEH) e coordenador do CuS da UFBA.

E continuando a retrospectiva da cena LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transexuais) em Salvador, as atividades na capital baiana não pararam ao longo dos 365 dias marcados por manifestações e lutas, mas também por muita cultura e arte.

No teatro, o destaque ficou por conta dos espetáculos O Melhor do Homem e Pólvora & Poesia que levaram para os palcos os amores e as dificuldades vividas por casais gays. As duas produções correram os palcos da Bahia e ganharam o eixo Rio-São Paulo, levantando o debate por onde passaram. No Espaço Cultural da Barroquinha, cada apresentação de Pólvora e Poesia era seguida de uma pós-sessão de debates que aconteciam para instigar o público.

 

Ainda falando em teatro, o grande momento da cena LGBT foi o elogiado espetáculo Sou Transformista, Mereço Respeito, idealizado pelo site Dois Terços, que gerou o maior burburinho e causou o maior agito na cena e nas mídias locais e nacionais.

A peça, que conta as diferentes histórias de vida e de profissão de nove atores transformista, foi uma das mais vistas no palco do Teatro XVIII, sempre alcançando a lotação máxima da casa. Homenageando os atores transformistas pelo seu talento, o site produziu um calendário onde cada mês trazia a beleza de uma artista.

Luta e Militância

Coube ao Grupo Gay da Bahia (GGB) levantar pontos polêmicos através de suas campanhas lançadas este ano. Uma delas aconteceu no Dia Mundial de Luta contra a AIDS, 1 de dezembro, com a frase  “Com Camisinha Você Goza Mais”, que movimentou a opinião pública e chamou a atenção da população.

Luiz Mott, por sua vez, não poderia deixar o ano passar em branco. Ele declarou à revista Junior que nunca houve Papa mais feminino na história do Vaticano quanto Bento XVIII. Mott também gerou polêmica ao recusar o convite para participar da 2ª Conferência LGBT em Brasília, salientando que o GGB não contabilizará mais o número de assassinatos de gays, travestis e lésbicas no Brasil, que só em 2010 passou da inacreditável quantia de 250 casos.

Na questão da luta pela visibilidade social, a Superintendência de Políticas para as Mulheres em parceria com as Lésbicas Negras e Bissexuais promoveram a Caminhada Gay para comemorar o Dia da Visibilidade Lésbica, 29 de agosto. O grupo Lesbahia ainda distribuiu um Kit informativo para conscientizar a população em relação à participação das lésbicas nas ações políticas.

 

 

 

Celebração do Orgulho Gay

Referente à celebração e à alegria, dois eventos entram na lista de 2011. O primeiro foi a 1ª Paradinha Gay do Rio Vermelho realizada pelo site Dois Terços, pelo GAPA Bahia e pela Ofá Produções. Juntos, os parceiros celebraram o Dia Mundial de Luta Contra a AIDS com um super ação cultural e política no boêmio bairro do Rio Vermelho onde mais de 2 mil pessoas compareceram.

Outro destaque ficou com o encontro da juventude LGBT no Porto da Barra. O evento aconteceu também no mês de dezembro e foi realizado pelo Instituto Adé Diversidade que transformou o Porto da Barra em uma grande celebração das lutas e vitória do movimento em 2011.

Cena Eletrônica Soteropolitana

E como ninguém é de ferro, também rolaram muitas baladas e ferveção na cena eletrônica da cidade.

Definitivamente, a San Sebastaian caiu no gosto da turma e já virou a grande referência no seguimento GLS da cidade, dando sempre novidades aos frequentadores que agitam ao som da casa. Através de diferentes ações, a boate oxigenou a noite de Salvador com festas temáticas e presença de DJs nacionais e internacionais. A San Sebastian celebrou ainda o seu 2º aniversário no Alto do Andu com uma super balada e entrou para a galeria de melhores festas de 2011.

A Off Club continuou com suas ações de reposicionamento com o novo grupo e levou diversos ensaios para a sua programação, com destaque para o Vira Verão com a banda Mametto. As suas festas também tiveram a participação de grandes nomes da música eletrônica que animaram as noites e as madrugadas dos seguidores da Off, denominados carinhosamente de offeiros.

A Boate Tropical não entrou na corrida por público e por melhor balada em Salvador, pois a casa já tem lugar cativo por sua localização e pelo público que prefere a região do Centro. Este ano, a Tropical trouxe para o Teatro Carmem Miranda grande nomes do transformismo e as super drags da Sampa, que lotaram a casa. Passaram por lá Silvetty Montila e Dícesar a Dimmy Kieer, além das nossas estrelas da terra. A casa, que tem o diferencial das demais, manteve seus shows, concurso de Go Go Boys, desfiles e muitas atrações que não são contempladas nas demais casas da cidade.

Beleza e Charme

Os concursos de beleza aconteceram este ano com o mesmo brilho das edições passadas, mas levaram algumas confusões aos palcos como no Miss Universe que aconteceu no Teatro Jorge Amado, onde a plateia não concordou com o resultado final dos jurados.

Os Miss Bahia e Miss Brasil Versão Nordeste também entraram na galeria dos grandes concursos de beleza seguidos pelo Beleza 40graus e pelo Black Bahia. Este último foi realizado com  a assinatura da Maluf Produções.