Agência baiana irá gerenciar carreira de influenciadores negros para grandes marcas

Arte e Exposições, No Circuito
17 de junho de 2020
por Genilson Coutinho
LETÍCIA SOTERO E DAYANE OLIVEIRA. FOTO: REPRODUÇÃO

Duas publicitárias baianas se juntaram para criar uma agência formada em sua totalidade por profissionais negros. As min(as) Marketing de Influência surge da necessidade do mercado por mais diversidade na comunicação, e sobretudo, por um posicionamento contra o racismo no Brasil. Sua atuação visa conectar marcas a criadores de conteúdos negros ou periféricos, trazendo visibilidade ao conteúdo produzido por eles. “Entendemos que é preciso ocupar os espaços mais diversos, com a presença e o pensamento crítico que tenha identificação com a população negra. Os profissionais dos bastidores e de criação também precisam entender sobre a comunidade que será alvo de uma campanha, por exemplo. A representatividade é essencial para uma boa comunicação, seja nos bastidores ou nos grandes holofotes. É necessário repensar este mercado e fomentar a transformação.” afirma Dayane Oliveira, sócia diretora da empresa.

Hoje, Salvador possui mais de 82% de auto declarantes negros e pardos, mais sabemos que essa proporção não é encontradas no ambiente empresarial. A realidade é que existe uma fatia inexpressiva de negócios e agências negras na cidade. “Em outras cidades do país, onde não temos um número tão alto de negros registrados pelo IBGE, a situação é ainda mais evidente. Estamos aqui para repensar as estruturas econômicas e de produção de conteúdo digital. Queremos incentivar e fazer parte da transformação no comportamento do mercado consumidor”, defende Letícia Sotero, também sócia da agência.

Estudos mostram que cada vez mais a atenção do consumidor é fragmentada, os anúncios tradicionais já não têm o mesmo impacto e podem ser bloqueados por eles que se tonaram protagonistas da sua jornada de consumo, informação e entretenimento. Ser relevante no ambiente digital é garantir o engajamento de comunidades, quem é relevante é capaz de influenciar comportamentos.

A população negra movimenta cerca de R$700 bilhões de reais por ano, porém 86% das mulheres afirmam que não se reconhecem nas propagandas, Fonte: (Locomotiva).

“Queremos contar a nossa própria história, buscando identidade e identificação, através do discurso legítimo do nosso casting de influenciadores com o público. Sabemos a importância dessa bandeira e queremos fortalecer a valorização para profissionais negros, que muitas vezes não são remunerados como deveriam”, pontuam as sócias.

Vale ressaltar que a comunicação é complexa em suas nuances, e é essencial entender seus nichos e suas comunidades de interesses. Usar influenciadores digitais é uma boa opção na construção desse novo contexto. Com isso a empresa As min(as) traz para o mercado de Salvador uma proposta inovadora e atual alinhando estratégia de mercado e propósito, construindo novas narrativas e oportunizando a visibilidade para comunidade negra na cidade.

Sobre As min(as)
As min(as) é uma empresa de facilitação, consultoria, agenciamento e conexão de influenciadores, artistas e criadores de conteúdo negrxs e de periferia. A agência também desenvolve projetos, campanhas publicitárias e parcerias estratégicas junto aos anunciantes com o objetivo de auxiliar na comunicação das marcas com seu público, num país composto por mais 54% de população negra. Temos o objetivo de juntxs conectar marcas aos consumidores brasileiros, estabelecendo um canal entre pessoas e plataformas com poder de influência para a comunidade negra e periférica.

https://www.instagram.com/p/CBEQfefF614/?igshid=e5jyo1fpvb6c

Deixe seu comentário

Sem comentários, seja o primeiro.