Adolescente gay de 14 anos é assassinado a pedradas e pauladas; tio é detido

Comportamento, Social
15 de junho de 2015
por Genilson Coutinho

homofobia

Um crime bárbaro ocorreu no Espírito Santo no sábado (13). Rafael Melo, um estudante de 14 anos, morreu a pauladas e pedradas no bairro Santa Catarina, região periférica de Cariacica, na Grande vitória.
O tio Gleisson Pereira Miranda, de 26 anos, que é irmão do padrasto do garoto, é o principal suspeito e foi detido no domingo (14). A família acredita em homofobia ou tentativa de abuso sexual.

O jovem, que havia saído às 6h30 para tomar café na casa da avó, foi encontrado morto na manhã de sábado por vizinhos. Peritos da Polícia Civil constataram que a vítima estava com lesões nas costas provocadas por um pedaço de madeira e o crânio esmagado por um pedaço de concreto.

Segundo a mãe Wanderléia Barbosa, de 33 anos, o filho estava 7º ano do Ensino Fundamental e sonhava em ser estilista. Ele enfrentava vários tipos de preconceito. “Muitas pessoas implicavam com ele, caçoavam e o xingavam. Implicavam com o jeito dele andar e por ele fazer roupas. Ele sofria muito, era uma pessoa de poucos amigos e muito fechado”, declarou ao jornal A Gazeta
Após ser detido, o acusado declarou que não matou o jovem. “Nós se dava bem (sic)”, declarou ele, que não apareceu ao velório, nem ao enterro. Mas a irmã do jovem, uma garota de 11 anos, declarou ter visto a cena. “A irmã presenciou a vítima no chão toda ensanguentada e o tio ao lado do corpo. E logo em seguida o tio saiu correndo em direção à mata”, declarou o delegado Rodrigo Augusto Sandi Mori.

A polícia, contudo, descarta homofobia e diz que trabalha na hipótese de Rafael ter tentado abusar sexualmente do garoto. “Foi uma tentativa de abuso por parte do tio, tendo sido negado pela vítima. Em razão disso, houve uma discussão, que ocasionou a morte da vítima”. Gleisson foi autuado por homicídio por motivos torpe, meio cruel e sem a possibilidade de defesa da vítima. Ele foi levado para o Centro de Triagem de Viana. Com informações da Acapa

  • ALESSANDRO QUEIROZ SANTOS

    Posso esta errado no julgamento , mas é certo que isso foi uma tentativa de abuso sexual, como a criança deve ter recusado, essa desgraça humana acabou por matá-lo para que ninguém soubesse da tentativa do abuso. Se fazia de “íntegro” ao fazer coro de ódio e preconceito quanto ao jeito do garoto ser, mas alimentava intimamente o desejo de manter relações com o mesmo. O mundo esta cheio dessas pessoas hipócritas, que por pressão e medo não vivem sua sexualidade de forma plena, só julgando os outros e quando podem, infelizmente cometem atos atrozes!!!

    • Guilherme

      Concordo plenamente.
      As pessoas tem vergonha de que os outros saibam de gostos particulares, não tão “comuns”. O medo de que os outros vão pensar, achar e falar atrapalham algumas pessoas de viverem as próprias vidas.

    • america

      Estão dizendo que ele ”era gay” por querer ser estilista e por ter um jeito delicado??????????????????
      Tá de brincadeira!
      Com certeza este monstro tentou abusar do menino, mas o menino não aceitou, então ele o matou.

  • cristina

    não importa para ninguém se o garoto era diferente, ninguem tem o direito de interromper uma vida assim, espero que esse ser immundo pague caro pelo seu ato abiminavél