ABORTO LEGALIZADO: Filme supera as expectativas em várias cidades brasileiras

Redação,
19/11/2013 | 09h11


3.495 pessoas ou média de 400 pessoas por sala. Este foi o número de espectadores do primeiro final de semana de exibição do documentário Blood Money – Aborto Legalizado, lançado no último dia 15, em cinemas de nove cidades.

O documentário, que denuncia a indústria do aborto nos EUA, país onde a prática é legalizada há mais de 40 anos, está em cartaz em Salvador, somente no Espaço Itaú de Cinema Glauber Rocha. É uma produção independente, portanto, estará em exibição por pouco tempo.

Sidney Girão, da Estação Luz Filmes, produtora cinematográfica detentora dos direitos de exibição e distribuição do documentário no Brasil, diz que “o público ficou acima das expectativas, considerando, particularmente, o fato de o final de semana ter incluído o último feriado do ano e o fato de que o filme teve, em algumas praças, poucos e inconvenientes horários”.

O executivo complementa, ainda, que, a exemplo de todos os circuitos de exibição do filme, alguns mercados tiveram mais aceitação do que outros. “É o caso, por exemplo, do Brasília, Rio, Recife, Belém e Fortaleza, nos quais praticamente todas as sessões ficaram lotadas nos três dias”, diz.

Blood Money – Aborto Legalizado segue em exibição nesta semana, em São Paulo (Espaço Itaú de Cinema Frei Caneca – Sala 6), Rio de Janeiro (Espaço Itaú de Cinema Botafogo – Sala 3), Goiânia (Lumiére Boungainville – Sala 3), Brasília, Brasília (Espaço Itaú de Cinema Brasília – Sala 7), Belém (Moviecom Pátio Belém – Sala 1), Curitiba (Espaço Itaú de Cinema Curitiba – Sala 1), Salvador (Espaço Itaú de Cinema Glauber Rocha – Sala 4), Recife ( Moviemax – Cine Rosa e Silva – Sala 1) e Fortaleza (Centerplex Via Sul Shopping – Sala 5).

O conteúdo do documentário
O documentário de Kyle trata do funcionamento legal desta indústria nos Estados Unidos, mostrando de que forma as estruturas médicas disputam e tratam as clientes, os métodos aplicados pelas clínicas e o destino do lixo hospitalar, entre outros temas, de forma muito realista.

Blood Money – Aborto Legalizado traz, ainda, depoimentos de médicos e outros profissionais da área, de pacientes, cientistas e da ativista política, Alveda C. King, sobrinha do pacifista Martin Luther King, que também apresenta o documentário. Dra. Alveda é envolvida em discussões sobre o mecanismo de controle racial nos EUA – o maior número de abortos é realizado nas comunidades negras.