“A capivara selvagem” comemora os 30 anos de carreira do ator baiano Frank Menezes

Sem categoria
13 de setembro de 2013
por Genilson Coutinho

Frank Menezes celebra 30 anos de carreira com a montagem “A CAPIVARA SELVAGEM ou O que aconteceu naquela noite de estréia?”, uma tragicomédia baseada no cinema noir e de terror psicológico. A peça retoma a parceria com o diretor Luiz Marfuz e também traz aos palcos os atores Marcelo Praddo e João Guisande

Um espetáculo tragicômico, com citações ao mundo do cinema noir e de terror psicológico marcam os 30 anos de carreira e sucesso do ator baiano Frank Menezes. “A CAPIVARA SELVAGEM ou O que aconteceu naquela noite de estreia?”, peça escrita e dirigida por Luiz Marfuz, e que conta com o veterano Marcelo Praddo e o jovem ator João Guisande, estreia no dia 13 de setembro, numa temporada que vai até  24 de novembro, no Teatro Modulo (Pituba). As apresentações acontecem às sextas, 21h e aos sábados e domingos às 20 horas. Os ingressos custam R$ 40 (inteira), R$ 20 (meia) nas sextas e domingos e R$ 50 (inteira), R$ 25 (meia) no sábado.

Os 30 anos de carreira de Frank Menezes não é só uma vitória para o próprio ator, mas, sim, para o teatro baiano, pela imensurável contribuição que vem dando ao longo de três décadas, não só ao teatro quanto à TV e ao cinema nacional. A parceria de Frank Menezes e Luiz Marfuz, diretor do seu espetáculo de estreia no teatro, Cabaré das Ilusões (1983), neste momento em que o ator celebra sua carreira não foi à toa, pois existe uma intenção explícita de valorizar a dramaturgia baiana, encenando um texto de um dos mais respeitados autores e diretores baianos.

Foi justamente por conta dessa ideia de valorização que Frank Menezes decidiu não fazer um monólogo, o que pareceria óbvio e conveniente para celebrar os seus 30 anos, mas, sim, inserir e contracenar com atores baianos. Para esta missão, foram escalados o tarimbado Marcelo Praddo (“Hamlet”, “O Sumiço da Santa”, “Os Javalis”) e uma das revelações da nova geração de atores, como João Guisande (“Bonitinha Mas Ordinária” e “Amnésis”).

Com referências e homenagens aos filmes americanos sobre as grandes divas esquecidas do cinema e do teatro, a peça mostra Dora Lee, interpretada por Frank Menezes, uma velha atriz desajustada que decide voltar aos palcos, mas que terá de enfrentar seu pior inimigo: a falta de talento. Sua irmã Mabel (Marcelo Praddo) já foi uma atriz reconhecida, mas não atua desde que sofreu um acidente em cena. Apesar da rivalidade, existe uma relação cômica e perturbada de amor e ódio entre as duas irmãs, que se alternam nos papéis de atriz e espectadora uma da outra, dentro de casa. Mas esta rotina é quebrada com a chegada de um jovem dramaturgo e diretor teatral, Alex (João Guisande), que resolve ajudar Dora Lee a voltar aos palcos, o que alimenta a rivalidade entre as duas irmãs. A partir daí, surpresas, suspense e reviravoltas marcam o tom cômico e misterioso da trama, jogando as personagens em situações imprevisíveis e inimagináveis.

O espetáculo conta ainda com uma equipe de primeira linha, a exemplo de Fernanda Paquelet e Mariana Terra na iluminação, cenário de Rodrigo Frota, figurino de Luíz Santana, direção musical de Luciano Bahia, maquiagem de Marie Thauront,  e a direção de produção de Selma Santos.

Um ator essencialmente baiano

Atuando na TV, no cinema e no teatro Frank Menezes adquiriu uma estética de brasilidade bem peculiar, fruto do imaginário cultural baiano. Frank é um ator baiano que monta textos de autores teatrais também baianos e faz filmes e novelas de reconhecimento nacional, que reúne autores como Jorge Amado, Ariano Suassuna, Dias Gomes, Janete Clair e Nelson Motta.

No teatro, Frank Menezes já foi dirigido por grandes diretores, como Fernando Guerreiro em “A Bofetada”, “O Indignado” e “Vixe Maria! Deus e o Diabo na Bahia”, e Celso Jr. em “Quem Matou Maria Helena”. Na telona, trabalhou com os cineastas Cacá Diegues, quando interpretou Jairo, o motorista da marinete de “Tieta do Agreste”; trabalhou também com Sérgio Machado, fazendo o Curió, no filme “Quincas Berro D’ Água” e com Cecília Amado, quando interpretou o delegado de “Capitães da Areia”. Na TV Globo, Frank trabalhou, na maioria das vezes, com o diretor Mauro Mendonça Filho, interpretando Padre Cecílio na segunda versão de “Gabriela”, fazendo o personagem Cleiton no ramake de “O Astro” e Cachorrão na minssérie “D. Flor e Seus Dois Maridos”, além de trabalhar também com Luiz Fernando Carvalho fazendo o Samuel Wandernes em “A Pedra do Reino”, entre outros.

ESPETÁCULO: A CAPIVARA SELVAGEM ou O que aconteceu naquela noite de estreia?”

LOCAL:  Teatro Módulo (Pituba).

PERÍODO: 13 de setembro a 24 de novembro de 2013.

HORA: Sextas-feiras (21h), sábados e domingos (20h).

VALOR: R$ 40 (inteira), R$ 20 (meia) nas sextas-feiras e domingos e R$ 50 (inteira), R$ 25 (meia) no sábado.

PRODUÇÃO: Selma Santos ,