37ª edição do Miss Brasil Gay aconte neste sábado (19), em Juiz de Fora

Comportamento, Social
19 de agosto de 2017
por Genilson Coutinho

Miss Brasil Gay será disputado neste sábado (19) em Juiz de Fora (Foto: Miss Brasil Gay/Divulgação)

A 37ª Miss Brasil Gay será eleita neste sábado (19) durante cerimônia em Juiz de Fora. O evento não foi realizado nos últimos anos e a retomada ocorre no Terrazzo, no Bairro Salvaterra, a partir das 20h, com galeria da beleza, desfiles típicos e com traje de gala.

Também serão escolhidas as melhores roupas usadas pelas candidatas, através da tradicional Batalha das Agulhas.

A organização do evento espera que cerca de três mil pessoas compareçam à cerimônia e se distribuam em mesas, camarotes e arquibancadas. Ingressos estão disponíveis no site do evento.

Em 2017, o tema do desfile é “Masculino e Feminino, a arte do transformismo”. A atual Miss Brasil Gay, coroada em 2013, é Sheila Veríssimo. Na ocasião, ela representou o estado de Espírito Santo.

Esta edição será apresentado pela jornalista da TV Integração, Érica Salazar e pela drag queen, Ikaro Kadoshi.

Transporte até o evento

O Terrazzo, onde será disputado o concurso, fica na Avenida Deusdedit Salgado, nº 5.050, no Bairro Salvaterra. O local é próximo à BR-040, que liga Juiz de Fora ao Rio de Janeiro e a Belo Horizonte.

A Secretaria de Transporte e Trânsito (Settra) de Juiz de Fora vai disponibilizar ônibus extras até o local do evento.

As linhas 508 – Avenida Deusdedit Salgado, 518 – Salvaterra, 519 – Torreões, 523 – Monte Verde, 529 – Torreões, 543 – Santa Córdula e 546 – Mirante passam pelo Terrazzo. A passagem custa R$ 2,75 e os horários podem ser consultados na aba “Infotrans”, no site da Prefeitura.

História do concurso

O Miss Brasil Gay foi criado em 1976, em Juiz de Fora, pelo cabeleireiro Francisco Mota. Candidatas de 26 estados brasileiros e o Distrito Federal disputam a faixa de mais belo transformista do país. Em 2007, o evento se tornou patrimônio imaterial do município.

A principal regra é que os concorrentes sejam do sexo masculino, não sejam travestis ou transexuais. Portanto, são proibidas intervenções cirúrgicas estéticas entre eles.

Além de ter a presença de artistas reconhecidos nacionalmente, o concurso tem o objetivo de se tornar um instrumento de luta pelos direitos dos homossexuais no Brasil, além de marcar Juiz de Fora como rota do turismo para o público LGBTTI nacional e internacional.

O evento ocorre em meio às atividades do Rainbow Fest, organizado pelo Movimento Gay de Minas (MGM), que movimenta diversos setores na cidade com palestras, debates e eventos culturais até domingo (20).