11º Seminário LGBT do Congresso Nacional discute questões relacionadas às DST/HIV/AIDS

Comportamento, Social
23 de maio de 2014
por Genilson Coutinho

 

camara-cheia

Em sua 11ª edição, o Seminário Nacional de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (LGBT) do Congresso Nacional mais uma vez leva ao Parlamento temas contemporâneos que afligem não apenas a comunidade LGBT, mas de grupos historicamente estigmatizados. Este ano o evento, que terá como lema do evento “Formas de saber, formas de adoecer”, abre espaço para uma discussão sobre questões relacionadas às DST/HIV/AIDS e reunirá representantes do governo federal, sociedade civil e especialistas em Saúde, Direito, Sexualidade, Psicologia, Sociologia e Cultura, além de acadêmicos que se dediquem aos estudos e pesquisas sobre a questão. Entre os convidados também estão o médico oncologista, cientista e escritor brasileiro Dráuzio Varella e membros do coletivo Porta dos Fundos. O seminário acontecerá no dia 03 de junho, das 09h às 18h, no Plenário 9 da Câmara dos Deputados.

O objetivo do encontro é promover o diálogo entre esses segmentos, além de gerar subsídios legislativos e conteúdos para a mídia pública do Congresso Nacional sobre caminhos para o enfrentamento das DST/HIV/AIDS, abordando temas pertinentes aos direitos humanos, como a busca da eficácia das leis contra a discriminação e a violência que protegem populações de maior risco, a implementação e a resistência a políticas públicas e campanhas de cunho preventivo.

Segundo o deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), um dos coordenadores das Frentes dos Direitos Humanos, LBGT e de Enfrentamento às DST/HIv/Aids, e autor do requerimento na Comissão de Direitos Humanos, abrir esse debate para a sociedade como um todo é imprescindível dado ao fato de a temática da AIDS ser um tema transversal que envolve não somente a temática LGBT – com os jovens gays sendo um dos grupos mais atingidos pela infecção, segundo dados do Ministério da Saúde (MS) – mas também os direitos sexuais e reprodutivos das mulheres, da população carcerária, da pobreza, da saúde masculina, da transexualidade e dos direitos das mulheres (cisgênero e transgênero) prostitutas.

“Este é um tema que envolve diversas questões que nos são caras e por isto decidimos tratar dele amplamente, convidando outros atores sociais com os quais o movimento LGBT precisa dialogar para sair do gueto”, explica o deputado, ressaltando que a escolha do tema também se dá em razão dos retrocessos realizados pelo MS nas políticas de prevenção e contemplação dos jovens gays e profissionais do sexo, que são, segundos dados do próprio ministério, as populações estigmatizadas mais vulneráveis. “Temos o desafio de fortalecer a nossa luta por políticas públicas de prevenção e de atenção às pessoas que vivem com HIV/AIDS e de produzir um discurso que não as estigmatize”, conclui.

Dividido em duas etapas, a programação do seminário acontece com a MESA 1 – “Aids não tem cara, idade, cor ou orientação sexual. É hora de abandonar o rótulo” e com a MESA 2 – “Aids, a ilustre desconhecida; subproduto da desinformação”.

O Seminário LGBT do Congresso Nacional este ano é organizado em conjunto pela Comissão de Direitos Humanos e Minorias, Comissão de Seguridade Social e Família e Comissão de Legislação Participativa, da Câmara dos Deputados, pela Comissão de Direitos Humanos e Legislação do Senado Federal e em parceria com a Frente Parlamentar em Defesa dos Direitos Humanos e Frente Parlamentar Mista pela Cidadania LGBT.

 

SERVIÇO:

Décimo primeiro Seminário LGBT do Congresso Nacional – “Aids: Formas de saber, formas de adoecer”. Terça-feira, 03 de Junho, das 09h às 18h, no Plenário 09, Anexo II, da Câmara dos Deputados, com transmissão ao vivo pelo site da Câmara. Informações: (61) 3215-5646.